Exército da Nigéria nega uso de balas reais em protesto anti-SARS | NOTÍCIAS | DW | 14.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Exército da Nigéria nega uso de balas reais em protesto anti-SARS

Exército nigeriano reitera que não abriu fogo contra um milhar de pessoas que se manifestavam contra a Unidade Especial Antirroubo da polícia, a 20 de outubro. Amnistia Internacional regustou 12 vítimas mortais.

Perante uma comissão de inquérito judicial criada para investigar o tiroteio de 20 de outubro e alegações de abusos por parte da Unidade Especial Antirroubo da Polícia nigeriana (SARS), este sábado (14.11), o Exército da Nigéria negou ter disparado balas reais contra manifestantes pacíficos, em Lagos.

Os protestos contra a violência policial - e especificamente contra a controversa SARS - começaram a 8 de outubro, com as autoridades a prometer desmantelar este esquadrão da polícia, perante o aumento da pressão. A instabilidade culminou a 20 de outubro, quando as forças de segurança dispararam contra cerca de mil manifestantes em Lagos, matando 12 pessoas, segundo a Amnistia Internacional. A organização afirma que pelo menos 56 pessoas foram mortas nas três semanas de protestos.

"Podem ver que eles estão a disparar para o ar, sem munições reais", afirmou o general Ahmed Ibrahim Taiwo, durante a apresentação de vídeos para sustentar a versão do Exército dos acontecimentos de 20 de outubro.

O tiroteio foi amplamente condenado pela comunidade internacional. "Tem havido muita desinformação em relação ao Exército nigeriano", disse Taiwo. O "único crime foi ter-se apresentado ao serviço para nos proteger a todos", acrescentou, confirmando que os soldados foram destacados para a região, a pedido do governador.

Em resposta às declarações de uma testemunha que diz ter visto um cadáver no local, o porta-voz dos militares afirmou que "a vítima que ela viu tinha sido dominada pelo choque". As autoridades, no entanto, ainda não se pronunciaram sobre muitas outras denúncias semelhantes de sobreviventes.

O governador do estado de Lagos, Babajide Sanwo-Olu – que anteriormente negou ter chamado o Exército a intervir – afirmou que havia apenas duas mortes confirmadas.

Nigeria Abuja | Aussschreitungen

A 20 de outubro, a polícia disparou gás lacrimogéneo para dispersar outra manifestação, em Abuja.

Criminosos infiltrados, diz Exército

O general do Exército nigeriano passou a maior parte da sua apresentação denunciando a violência dos "hoodlums" ou bandidos, uma palavra frequentemente usada na Nigéria para criminosos, que, segundo as autoridades, controlaram os protestos.

"Perante a urgência da situação, não é uma surpresa a imposição de um recolher obrigatório pelo governador", afirmou Taiwo.

Segundo a polícia, 51 civis e 22 agentes foram mortos nos protestos e 205 esquadras da polícia e outros edifícios foram incendiados ou vandalizados.

O Governo prometeu uma série de reformas e garantiu aos manifestantes que tinha ouvido as suas exigências, mas muitos afirmam que está em curso uma campanha para os intimidar.

O painel judicial foi adiado na semana passada, depois de dois membros se absterem em protesto contra a decisão do Banco Central da Nigéria de congelar as contas bancárias de 20 apoiantes das manifestações contra a violência policial – uma medida condenada por grupos de defesa dos direitos humanos.

"As autoridades deveriam remover imediatamente todas as medidas financeiras punitivas que aparentemente foram impostas a indivíduos ou organizações, simplesmente por fornecerem informações ou prestarem apoio a pessoas que exercem os seus direitos fundamentais", considera Anietie Ewang, investigadora da Nigéria na Human Rights Watch.

"Quaisquer tentativas de reprimir protestos legítimos e apelos genuínos à responsabilização através do bloqueio arbitrário de fundos seria um abuso grosseiro de poder", acrescenta.

Assistir ao vídeo 02:00

Nigéria desmantela unidade policial, mas protestos continuam

Leia mais