Exército da Nigéria diz que quase 6.000 extremistas se renderam | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 03.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Exército da Nigéria diz que quase 6.000 extremistas se renderam

Segundo o Exército, esta é uma das maiores deserções desde o início da insurreição no nordeste da Nigéria, que dura há 12 anos.

Armas apreendidas de homens supostamente ligados ao Boko Haram (Foto de arquivo / 2018)

Armas apreendidas de homens supostamente ligados ao Boko Haram (Foto de arquivo / 2018)

O anúncio foi feito na quinta-feira (02.09) pelo porta-voz militar Bernard Onyeuko, várias semanas depois de o Exército nigeriano ter anunciado que cerca de 335 militantes tinham deposto as armas.

As deserções seguem-se também à morte do líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, em maio. O controlo de Shekau sobre o grupo radical enfraquecera nos últimos anos, depois de uma fação separatista conhecida como Estado Islâmico na África Ocidental (ISWAP, na sigla em inglês) começar a ganhar força.

O líder do ISWAP afirmou que Shekau morreu num ataque suicida após uma batalha entre os dois grupos. Analistas acreditam que alguns dos extremistas podem agora estar a desertar porque não querem juntar-se ao ISWAP, escreve a agência de notícias Associated Press.

Nigeria Soldaten in Damboa

Exército nigeriano nas áreas visadas pelos extremistas

"Situação muito difícil"

O governador do estado de Borno, Babagana Zulum, apoiou a rendição dos militantes, mas reconheceu que as deserções colocam a região numa "situação muito difícil".

"Temos de escolher entre uma guerra sem fim ou aceitar cautelosamente os terroristas rendidos, o que é realmente doloroso e difícil para qualquer um que tenha perdido entes queridos, difícil para todos nós e mesmo para os militares, cujos colegas morreram", disse Zulum.

O grupo extremista Boko Haram tem travado uma guerra contra a Nigéria desde 2009. A insurreição espalhou-se entretanto aos países vizinhos, nomeadamente os Camarões, Níger e Chade. O conflito já fez dezenas de milhares de mortos e deslocou mais de 2,3 milhões de pessoas na região do Lago Chade, segundo as autoridades.

Assistir ao vídeo 02:56

Nigéria: Como reintegrar ex-insurgentes do Boko Haram?

Leia mais