EUA e Ruanda em guerra comercial por causa de roupas usadas | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 06.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

EUA e Ruanda em guerra comercial por causa de roupas usadas

Países da África Oriental anunciaram proibição da importação de roupas usadas para alavancar as indústrias têxteis locais. Mas isso irritou o Presidente dos EUA, Donald Trump, e todos recuaram - excepto o Ruanda. Porquê?

É uma disputa que não costuma fazer títulos nos jornais: a guerra comercial do Presidente norte-americano, Donald Trump, por causa de roupas em segunda mão.

Em 2016, os Estados-membros da Comunidade da África Oriental (CAO) elaboraram um plano para proibir a importação de roupas e sapatos usados até 2019. A CAO duplicou a tarifa externa comum para roupas usadas (para $0,40 por quilo). E o Ruanda aumentou o imposto sobre as importações para $2,50.

Trump ameaçou retaliar, sublinhando que o imposto desrespeitava a Lei de Crescimento e Oportunidades para África (AGOA, na sigla em inglês). No final de março, o Presidente norte-americano anunciou que, no prazo de 60 dias, suspenderia a isenção de impostos a todos os artigos de vestuário e sapatos abrangidos pela AGOA produzidos no Ruanda.

Mas o Ruanda não vacilou e deixou o prazo findar, na semana passada. Isso significa que os Estados Unidos deverão agora impor tarifas sobre calçado e produtos têxteis ruandeses.

"Legalmente falando, é um direito dos EUA, porque, no âmbito da AGOA, o Ruanda tem de remover todas as barreiras a produtos norte-americanos", diz Christopher Kayumba, analista e professor da Universidade do Ruanda.

"Mas o espírito da AGOA é ajudar os países pobres a evoluir", acrescenta. Kayumba diz ter ficado surpreendido por um país tão grande e rico como os EUA insistir em exportar as suas roupas em segunda mão para um país pobre como o Ruanda.

Ouvir o áudio 04:07

EUA e Ruanda em guerra comercial por causa de roupas usadas

Obstáculo ao desenvolvimento

"As roupas em segunda mão estão a prejudicar a indústria têxtil ruandesa. Por isso, é surpreendente que a administração Trump queira sancionar o Ruanda, quando o país está a implementar uma política que ajudará no seu desenvolvimento a longo prazo", afirma Kayumba.

A disputa começou em março do ano passado, quando a organização comercial norte-americana "SMART" - Associação de Materiais Secundários e Têxteis Reciclados – apresentou uma reclamação junto do Representante do Comércio dos EUA, alegando que a proibição de importações de roupa e calçado importados prejudicou a indústria norte-americana. Segundo a "SMART", pelo menos 40.000 empregos estavam em risco nos EUA.

Face à reclamação, o Governo norte-americano colocou o Ruanda, a Tanzânia e o Uganda sob avaliação. O Quénia ficou de fora.

"A avaliação constatou que essa proibição de importações prejudica a indústria de roupas em segunda mão dos EUA e é inconsistente com os critérios da AGOA de que os países eliminem as barreiras ao comércio e ao investimento dos EUA", concluiu o Representante do Comércio dos EUA em comunicado.

A Tanzânia e Uganda prometeram, então, reduzir ou eliminar as barreiras à importação de roupas usadas. No entanto, o Ruanda não estava disposto a mudar a sua postura, explica Ben Shepherd, consultor do Programa de África da Chatham House.

"Na verdade, o Ruanda não exporta muito. Eles não têm grandes fabricantes nacionais. Têm grandes despesas para exportar produtos, porque estão longe dos portos. Já o Quénia tem uma indústria manufactureira significativa, como, em certa medida, a Tanzânia e o Uganda."

Donald Trump und Paul Kagame

Encontro de Presidente do Ruanda, Paul Kagame (esq.), com Presidente norte-americano, Donald Trump, em janeiro de 2018

Ruandeses "podem dar-se ao luxo"

Ou seja, o medo de uma guerra comercial com os EUA teria afetado mais diretamente a Tanzânia e o Uganda. Para o Ruanda, a situação seria diferente.

"Os ruandeses podem dar-se ao luxo de entrar num conflito comercial, porque há menos a perder para eles. Eles não gostam de ser pressionados e estão a emergir como líderes em África ao repelirem as imposições do mundo exterior", comenta Shepherd.

Por outro lado, há pessoas no Ruanda que ganham a vida a vender roupas usadas - ou aquelas que simplesmente não podem pagar por produtos mais caros, lembra o professor Christopher Kayumba.

"Mas, a longo prazo, acredito que, se esses produtos forem banidos - roupas em segunda mão e produtos de couro dos EUA e de todos os outros países, inclusive da Ásia -, isso ajudará a indústria de couro e a indústria têxtil a crescer no Ruanda."

Assistir ao vídeo 03:07

Uganda: Proibição de roupas usadas preocupa comerciantes

A América primeiro, depois os outros?

De acordo com um estudo da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), o país fornece quase 20% do total de exportações diretas de roupas usadas para a Comunidade da África Oriental.

A quantidade é significativamente maior se se adicionar as exportações indiretas - como quando os navios dos EUA transportam roupas para os Emirados Árabes Unidos, China, Paquistão, Índia e outros países onde elas são classificadas, limpas e empacotadas para reexportação para países africanos.

Mas as exportações de roupas usadas para a CAO são uma percentagem muito pequena do comércio norte-americano, diz Garth Frazer, professor associado de Economia Empresarial e Políticas Públicas da Universidade de Toronto, que atuou como consultor para os Governos do Uganda e do Ruanda.

"Em conjunto, as exportações de roupas usadas dos EUA para todos os países da CAO tiveram um pico de 43 milhões de dólares em 2012, o que representa 0,003% das exportações norte-americanas. Esta é uma indústria realmente insignificante do ponto de vista dos EUA", escreveu Frazer. Isso "não é surpreendente, já que esta indústria envia para África essencialmente bens que iriam para o lixo."

Frazer acrescenta que os EUA parecem mais interessados em "proteger pequenas indústrias marginais norte-americanas” do que em serem "líderes na ajuda ao desenvolvimento".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados