Etiópia vive crise de fome | NOTÍCIAS | DW | 17.12.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Etiópia vive crise de fome

Apesar da Etiópia reivindicar ajuda para mais de 8 milhões de vítimas da seca, organizações internacionais alertam que o pior cenário é esperado em 2016, altura em que o número de vítimas pode aumentar para 15 milhões.

default

Etíopes transportando água numa região seca do norte do país

Na Etiópia, onde a maioria da população, de 96 milhões de pessoas, depende da agricultura, regista-se uma grande escassez de água e alimentos por causa da falta de chuva. O porta-voz do Governo, Getachew Reda, afirmou recentemente numa conferência de imprensa que o executivo etíope comprou um milhão de toneladas de cereais e cerca de 260 milhões de euros foram gastos para lidar com a crise da seca.

Mitiku Kasa, ministro da Prevenção e Preparação de Desastres da Agricultura e da Segurança Alimentar, disse, em declarações à Deutsche Welle, que entre outros, a compra de trigo está a ocorrer de duas formas: "Após a primeira encomenda para a compra de trigo, até este momento 222 mil toneladas já chegaram ao país. Espera-se que a segunda encomenda de 405 mil toneladas chegue em janeiro. No total, o Governo vai comprar 627 toneladas de trigo".

Para lidar com a catástrofe da seca, as organizações humanitárias internacionais estimam que a Etiópia necessite de cerca de 550 milhões de euros. Contudo, e de acordo com o ministro Mitiku Kasa, a compra de alimentos, até agora, foi feita com as poupanças do Estado. O governante etíope reiterou, por outro lado, que a ajuda humanitária internacional tem sido muito lenta devido à crise no Médio Oriente e, principalmente, os problemas na Síria.

Más previsões para 2016
Manfred Bischofberger afirma que apesar dos terrenos de pasto para o gado estarem a recuperar e a situação da segurança alimentar esteja também a melhorar em algumas das áreas atingidas pelas secas, a situação pode vir no próximo ano.

Äthiopien Flüchtlinge aus Südsudan

Etíopes num campo de refugiados do Sudão do Sul

Isto porque a colheita nas zonas montanhosas, por ser significativamente reduzida, pode facilmente esgotar o stock de alimentos.

O diretor regional da organização não-governamental alemã Welthunger Hilfe diz ainda que a sua organização está a fazer uma intervenção desde o período inicial das secas e tenta recolher fundos através de doadores institucionais: "Começámos um projeto no início do ano. Agora estamos a começar o nosso terceiro projeto como resposta de emergência. Assim, tivemos só este ano quatro projetos, todos financiados por doadores institucionais e implementados pelos nossos parceiros locais".

A seca começou a ter uma grande influência na pecuária em diversas regiões nomeadamente em Afar, Somali, Oromia, Tigraz e Amhara. Questionado sobre os impactos da seca no quotidiano da população, o diretor regional da Welthunger Hilfe afirma que nas áreas de intervenção, nomedamente em Afar, não foram registadas mortes, apenas uma perda considerável de gado.

Ajuda não é suficiente

Um pastor, que não se quis identificar, no distrito Awash-Fantale, do estado regional de Afar, diz estar a perder o gado devido à seca.

Flash-Galerie Dürre ohne Ende Äthiopien Landleben im Norden Rural life in Northern Ethiopia

Raparigas etíopes numa zona rural do norte

Segundo ele, "desde o último Ramadão, ou seja, desde que vimos a última gota de chuva, há 12 meses, não há nada. Não há água. Não há ervas. O gado está a morrer em grande escala. Atualmente não se regista ajuda do governo na região" e Afar finaliza: "Nós suplicamos que levem a nossa mensagem aos responsáveis".

Apesar do Governo ter distribuído ajuda alimentar às áreas afetadas e da intervenção das agências de ajuda internacionais, uma testemunha na região de Afar afetada pela seca considera que o esforço não é suficiente.

De acordo com a testemunha, "no programa de emergência, existem algumas organizações não-governamentais que estão de facto a ajudar, mas não é suficiente. O gado está a morrer. Devido à seca, o gado está a ser alimentado com plantas utilizadas na produção do açúcar".

A Etiópia tem agora mais de 8 milhões de pessoas vítimas de insegurança alimentar e espera-se que o número possa aumentar drasticamente já em 2016. O relatório das Nações Unidas revela também que 350 mil crianças estão subnutridas.

Ouvir o áudio 04:11
Ao vivo agora
04:11 min

Etiópia vive crise de fome

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados