Etiópia reconquista outra cidade em ofensiva para tomar capital de Tigray | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 21.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Etiópia reconquista outra cidade em ofensiva para tomar capital de Tigray

Governo etíope informa que capturou a cidade de Adigrat em sua ofensiva militar para tomar a capital de Tigray, Mekele, onde tenta derrubar a Frente de Libertação de Tigray (TPLF); e rejeita mediação africana.

"Nossas forças libertaram hoje a cidade de Adrigat da milícia TPLF, depois de ter assumido o controle das áreas vizinhas ontem à noite", declarou o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, em comunicado. As informações foram avançadas neste sábado (21.11).

Adigrat, uma das cidades mais importantes da região norte e localizada a cerca de 120 quilômetros de Mekele, foi assumida após a conquista de Aksum e Adwa nesta sexta-feira (20.11), segundo o Governo etíope. Entretanto, a TPLF ainda não se pronunciou sobre essas supostas derrotas militares.

Também esta sexta-feira, o porta-voz da milícia, Getachew Reda, ex-ministro de Comunicação da Etiópia, afirmou no Facebook que as forças Tigrinya tinham derrotado as tropas federais nos campos de batalha de Raya e Zalambasa.

Tigray, que faz fronteira com a Eritréia e o Sudão, permanece isolado e com as telecomunicações cortadas desde o início desta guerra, no último dia 4.11. A medida, imposta pelo Governo central, foi uma retaliação a um ataque das forças TPLF a uma base do exército etíope na região, tornando muito difícil a verificação de informações no local.

"Faremos tudo que for necessário para garantir que a estabilidade prevaleça na região de Tigray e que nossos cidadãos estejam livres de danos", destacou Abiy na nota.

Ex-presidentes africanos para mediar conflito

Mosambik Ex-Präsident Joaquim Chissano

Joaquim Chissano, ex-Presidente de Moçambique

O primeiro ministro etíope deu essas declarações depois que a União Africana (UA) anunciou que enviaria os ex-presidentes Joaquim Chissano (Moçambique), Ellen Johnson-Sirleaf (Libéria) e Kgalema Motlanthe (África do Sul) para ajudar a mediar o conflito.

"A principal tarefa dos enviados especiais é envolver todas as partes do conflito com vistas a pôr fim às hostilidades", disse o atual presidente da África do Sul e da UA, Cyril Ramaphosa, pela rede social Twitter.

"Os mediadores também tentarão criar as condições para um diálogo nacional inclusivo para resolver todas as questões que levaram ao conflito e restaurar a paz e a estabilidade na Etiópia", completou Ramaphosa, que se encontrou com Sahle-Work Zewde,  presidente etíope.

O Governo etíope confirmou que Abiy Ahmed receberia os enviados especiais para conversar com eles um a um, mas negou que os ex-presidentes viajariam à Etiópia para mediar o conflito.

Entretanto, no final deste sábado, segundo avançou a agência de notícias Reuters, o Governo etíope rejeitou o esforço africano para mediação, com o argumento mesmo de que suas tropas já haviam tomado outra cidade em sua marcha para a capital controlada pelos rebeldes da região norte de Tigray.

Até hoje, o primeiro-ministro etíope Abiy Ahmed, vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 2019,é acusado de ignorar os apelos internacionais para desacelerar o conflito, e também de estar relutante em aceitar uma negociação com a TPLF para resolver a crise, que já causou centenas de mortes e a fuga de mais de 30 mil etíopes para o vizinho, o Sudão. 

Assistir ao vídeo 01:34

Tigray: O conflito na Etiópia que já faz milhares de refugiados

 

Leia mais