Etiópia: Líder rebelde diz que povo ″está pronto para morrer″ por Tigray | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 24.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Etiópia: Líder rebelde diz que povo "está pronto para morrer" por Tigray

Em plena guerra de informações não confirmadas, rebeldes reivindicam ter destruído uma divisão do exército etíope. Por outro lado, Governo alerta para ofensiva à capital de Tigray: "Não haverá misericórdia".

Äthiopien TPLF feiert 45 jähriges Gründungsjubiläum in Mekelle

Comemoração dos 45 anos da TPLF em Mekelle em fevereiro

As forças que lutam contra o Governo da Etiópia na região norte de Tigray comunicaram que "destruíram completamente" a 21ª divisão mecanizada do exército. A informação foi divulgada nesta terça-feira (24.11) por Getachew Reda, porta-voz das forças de Tigray.

Por outro lado, um porta-voz do governo não retornou chamadas da agência Reuters a buscar comentários. A agência não conseguiu verificar as declarações feitas por nenhum dos lados uma vez que as conexões de telefone e internet para a região de Tigray são de baixa qualidade e estritamente controladas.

Desde que o conflito eclodiu em 4 de novembro, centenas de pessoas foram mortas e cerca de 40 mil refugiaram-se no Sudão. Na segunda-feira, os Estados Unidos solicitaram a mediação entre o governo federal etíope e o povo Tigray Frente de Libertação (TPLF).

"Os Estados Unidos exigem a mediação na Etiopia e apoia os esforços liderados por Cyril Ramaphosa e União Africana para acabar agora com este trágico conflito", comunicou um tuíte do Conselho de Segurança Nacional do Governo dos EUA.

Conflito intenso

Os combates na região separatista do Tigray estão a intensificar-se a cada dia que passa. Esta segunda-feira (23.11), menos de 24 horas depois do primeiro-ministro Abiy Ahmed ter dado três dias às tropas da Frente Popular de Libertação do Tigray (TPLF) para se renderem.

"O Primeiro-Ministro teve de emitir ontem um ultimato de 72 horas para mostrar ao povo de Mekelle que o início do fim está ao nosso alcance e que as nossas forças de defesa já cercaram efetivamente Mekelle, o que torna fácil atingir quaisquer instalações militares, estejam onde estiverem", disse o porta-voz do Governo, Redwan Hussein, garantindo que as forças federais cercaram a capital regional e sede do governo local Mekelle.

Para os cerca de 500 mil habitantes de Mekelle, o aviso do porta-voz do exército, Dejene Tsegaye, foi também muito claro: "Procurem abrigo e se afastem das tropas da TPLF. Caso contrário, não haverá misericórdia".

No entanto, e em declarações às agências de notícias, o presidente do Tigray e líder da TPLF negou que as forças etíopes tenham cercado Mekelle e rejeitou render-se. Debretsion Gebremichael garante que, pela defesa da pátria, "o seu povo está pronto para morrer".

Ouvir o áudio 02:50

Rebeldes dizem que povo "está pronto para morrer" por Tigray

Guerra de informação

O fato de Tigray estar praticamente isolada do mundo desde o início da operação militar, a 4 de novembro, torna difícil verificar informações relativas a ataques e baixas. Vários analistas temem que o país esteja muito perto de mergulhar noutra guerra civil prolongada.

"O governo etíope deve recordar a longa guerra que começou na década de 1970 e só terminou em 1991. As tropas da TPLF são muito boas em operações de guerrilha a partir das montanhas. Da última vez, a guerra durou 20 anos. Quanto tempo durará esta?", questiona Martin Plaut, especialista na região do Corno de África.

Pessoas que chegam aos campos de refugiados improvisados no Sudao pelas Nações Unidas queixam-se de fome. Vencedor do Prémio Nobel da Paz em 2019, o primeiro-ministro etíope Abiy Ahmed ignorou, até à data, todas as tentativas de mediação do conflito por parte da União Africana.

Assistir ao vídeo 01:34

Tigray: O conflito na Etiópia que já faz milhares de refugiados

Leia mais