Etiópia expulsa sete responsáveis de agências da ONU | NOTÍCIAS | DW | 30.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Etiópia expulsa sete responsáveis de agências da ONU

O Ministério dos Negócios Estrangeiros etíope acusou sete funcionários de agências das Nações Unidas de ingerência nos assuntos internos, nomeadamente sobre a região de Tigray, em guerra há quase um ano.

(Foto de arquivo) Deslocados de Tigray chegam de autocarro à localidade de Shire.

(Foto de arquivo) Deslocados de Tigray chegam de autocarro à localidade de Shire.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) da Etiópia anunciou esta quinta-feira (30.09) que vai expulsar do território sete responsáveis de agências das Nações Unidas, acusando-os de ingerência nos assuntos internos, nomeadamente sobre o Tigray.

"O Ministério dos Negócios Estrangeiros etíope, em cartas emitidas hoje, declarou sete pessoas que trabalham para várias ONG internacionais na Etiópia 'persona non grata' por interferirem nos assuntos internos do país", lê-se na página do Facebook do MNE, citada pela agência francesa de notícias, AFP.

"Em virtude das cartas dirigidas a cada um dos sete indivíduos abaixo indicados, todos eles devem abandonar o território da Etiópia nas próximas 72 horas", acrescentou ainda o Governo etíope, apresentando os nomes de sete funcionários de agências da ONU, incluindo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU (OCHA).

Uma "mancha" na consciência

A guerra dura há mais de dez meses na região nortenha de Tigray, para onde o primeiro-ministro, Abiy Ahmed, enviou o exército para derrubar as autoridades regionais da Frente Popular de Libertação do Tigray (TPLF), que acusa de orquestrar ataques aos campos militares federais.

O comunicado do MNE etíope surge no dia seguinte à divulgação de uma entrevista do chefe humanitário das Nações Unidas à agência noticiosa Associated Press (AP), na qual classificou a crise na Etiópia, onde crianças e adultos morrem à fome na região de Tigray devido a um bloqueio governamental de alimentos, material médico e combustível, como uma "mancha" na consciência.

Assistir ao vídeo 03:25

As eleições parlamentares na Etiópia

Numa entrevista à AP, Martin Griffiths fez uma das mais severas críticas até agora formuladas sobre a pior crise mundial da fome numa década, após quase um ano de guerra. 

Griffiths descreveu um cenário de privação em Tigray, onde a taxa de desnutrição é agora superior a 22% - "aproximadamente a mesma que na Somália em 2011, no início da fome" neste país, que matou mais de um quarto de milhão de pessoas. 

A guerra na Etiópia começou em novembro passado, perto da época da colheita em Tigray e a ONU disse que pelo menos metade da próxima colheita irá falhar. Testemunhas disseram que as forças etíopes e aliadas destruíram ou saquearam as fontes de alimentos.

Guerra sem fim à vista

A crise da Etiópia levou a ONU, os Estados Unidos e outros a instar as partes beligerantes a parar os combates e a tomar medidas para a paz, mas Griffiths advertiu que "a guerra não parece estar a terminar tão cedo". 

Pelo contrário, nas últimas semanas espalhou-se pela vizinha região de Amhara. Griffiths disse que as linhas de batalha ativas estão a fazer com que seja um desafio conseguir ajuda para centenas de milhares de pessoas a mais. 

A Etiópia vai assistir à formação de um novo Governo na próxima semana, com mais cinco anos de mandato para o primeiro-ministro Abiy Ahmed. Griffiths, que disse ter falado pela última vez com o chefe do Executivo há três ou quatro semanas, manifestou a esperança de uma mudança de direção.

Esta quinta-feira, tem lugar a segunda volta das eleições legislativas, com seis milhões de eleitores na região do Tigray novamente excluídos do pleito. O Partido da Prosperidade, de Abiy Ahmed, já conseguiu assegurar uma maioria na primeira volta.

Secretário-geral em choque

O secretário-geral das Nações Unidas já disse estar "chocado" com a expulsão dos sete funcionários e declarou que a Organização das Nações Unidas estava em discussões com o Governo etíope para garantir que "o pessoal da ONU em questão" pudesse "continuar o seu importante trabalho" no país. 

"Todas as operações humanitárias da ONU são guiadas pelos princípios fundamentais da humanidade, imparcialidade, neutralidade e independência", salientou Guterres. "Na Etiópia, a ONU está a fornecer assistência para salvar vidas - incluindo alimentos, medicamentos, água e saneamento - a pessoas em necessidade desesperada", acrescentou. 

O secretário-geral afirmou que tem "plena confiança no pessoal da ONU na Etiópia para fazer este trabalho".  
A ONU está empenhada em ajudar o povo da Etiópia que depende da assistência humanitária", frisou Guterres. Segundo o secretário-geral, a ONU estava em discussões "com o Governo etíope, na esperança de que o pessoal da ONU em questão seja autorizado a continuar o seu importante trabalho".

Assistir ao vídeo 02:13

Tigray: Centenas de mulheres violadas por militares