Estudante nigeriano falha na tentativa de fugir da Ucrânia | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 20.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Estudante nigeriano falha na tentativa de fugir da Ucrânia

Dezenas de estudantes africanos que permanecem na Ucrânia têm-se refugiado em caves desde que os bombardeamentos russos começaram. Estudante nigeriano conta à DW as suas tentativas falhadas de fuga de Kherson.

"Passámos por algumas áreas críticas já bombardeadas e chegámos ao ponto de controlo. Depois, a cerca de 15 metros de nós, as tropas russas apontaram-nos armas", disse à DW Jeremiah Akpan, um estudante nigeriano preso em Kherson, na Ucrânia.

Kherson é uma cidade portuária com cerca de 290 mil habitantes perto do Mar Negro e foi uma das primeiras a ficar sob controlo de forças russas no início de março.

"Não disseram uma palavra, apontaram para nós, tanto os tanques como as pessoas armadas", disse Akpan. Havia cinco jovens no veículo: o condutor, um palestiniano, três egípcios, e ele próprio.

"Havia um tipo que levou uma bandeira egípcia, por isso começou a hastear a bandeira. Pediram-nos que voltássemos pata trás sem dizer uma palavra. Apenas gestos de que devíamos voltar atrás. E assim, regressámos. A primeira tentativa falhada de fuga aconteceu a 24 de Fevereiro quando a guerra tinha começado" recordou Akpan, um estudante de navegação marítima do segundo ano.

Escondido num bunker

De volta a Kherson, Akpan procurou um esconderijo na cave da sua escola. Ainda esperançosos, no dia seguinte, Akpan e outros três telefonaram a um taxista que estava fora de Kherson.

Havia bloqueios de estrada por todo o lado, mas ele concordou em vir buscar os estudantes, apesar dos riscos envolvidos. Assim, outra viagem para sair de Kherson começou. Tinham conduzido uma curta distância antes de os soldados russos os terem detido novamente.

Kherson, Ucrânia, estudantes africanos cave

Estudantes africanos vivem numa cave sem aquecedor desde o início da guerra

O motorista saiu do carro, aproximou-se dos soldados, e implorou, alegando que os jovens eram estudantes internacionais.

"Mas eles continuaram a gritar e empurraram-no pelo peito. Não sei o que estavam a dizer. Foi tão terrível", disse Akpan. "Finalmente, eles vieram com o motorista, e esvaziaram os pneus. Não sei qual era o argumento deles".

Os jovens deixaram rapidamente o táxi, mudaram-se para o outro lado da estrada, e assistiram em silêncio com o coração na boca. Depois de esvaziarem os pneus, os soldados partiram. Por sorte, o condutor tinha pneus extra, pelo que os trocou. Mas infelizmente, este motorista também devolveu Akpan e os seus colegas a Kherson pela segunda vez.

Akpan retirou-se para a cave, e outras pessoas juntaram-se a ele para procurar refúgio. Desde então, diferentes pessoas começaram a chamá-lo e a enviar outros estrangeiros para se juntarem a ele na cave ou para procurarem assistência dele. Os números continuaram a aumentar diariamente.

A partir de terça-feira, 15 de março, havia 87 pessoas na lista de Akpan. Como chefe do sindicato internacional dos estudantes em Kherson, ele era responsável por todas elas. A Nigéria diz que ainda há cerca de 80 estudantes em Kherson à espera de serem evacuados.

Raptados e detidos ao lado de ucranianos

No domingo, 13 de Março, houve uma terceira tentativa de fuga de Kherson. Quatro estudantes internacionais decidiram correr esse risco. Akpan não se encontrava entre eles e não fazia ideia de quando tinham partido. Disse que os teria desencorajado de irem por conta própria.

Quando chegaram ao terceiro posto de controlo, foram ordenados a sair do táxi pelos soldados russos. Os militares verificaram os seus passaportes e malas, depois ordenaram-lhes que devolvessem as suas bagagens ao táxi.

O motorista foi forçado a regressar a Kherson enquanto os estudantes estavam vendados e mantidos como reféns dentro de um tanque militar durante cerca de duas horas. Depois, os soldados conduziram o tanque para um destino desconhecido.

Passado algum tempo, foram empurrados para um edifício. Quando os soldados finalmente os desamarraram, encontraram-se numa sala escura com alguns ucranianos. O local estava desarrumado e cheirava a fezes humanas e urina.

Por volta das 21 horas, alguns soldados vieram e voltaram a vendar os quatro jovens e colocaram-nos num outro veículo fornecido pelas tropas russas. Akpan pensa que os soldados sentiram o regresso do taxista a Kherson sem os quatro estudantes, o que seria motivo de alarme.

Os soldados levaram-nos para uma aldeia e largaram-nos lá. Então, disseram aos quatro para encontrarem o caminho de regresso a Kherson. Depois de caminharem durante toda a noite em pleno inverno gelado, chegaram a Kherson a pé, quase ao meio-dia do dia seguinte.

"Foi assim que conseguiram regressar a Kherson e deram-me informações sobre o movimento", disse Akpan à DW.

Assistir ao vídeo 03:51

Guerra na Ucrânia: Qual a perspetiva africana?

Dias sombrios pela frente

Danielle Ijeoma Onyekwere, co-fundadora da Diaspora Relief, uma organização sem fins lucrativos que trabalha em conjunto com a embaixada nigeriana na Hungria para evacuar estudantes da Ucrânia, disse à DW que a situação em Kherson é mais complicada do que a de Sumy.

Ela disse que os soldados russos não só ultrapassaram toda a cidade de Kherson como estão em todos os recantos da cidade. Como resultado, os residentes de Kherson têm medo até de sair dos seus apartamentos.

Onyek foi avisado de que nenhum estudante deveria tentar evacuar por conta própria. "Eu não aconselho a tentativa de evacuação sem o envolvimento dos governos".

Ela também aconselhou os estudantes a não serem agressivos para os soldados. "Sou fortemente contra qualquer forma de força com os militares. Foi isso que eu disse a estes estudantes".

Disse-lhes que têm de ser simpáticos porque não querem que a situação se agrave", afirmou, encorajando aqueles que ainda estão presos a falar de forma simpática com os soldados. "Não tentem forçar a vossa saída".

Onyekwere disse que sente que os estudantes perderam a esperança e a confiança, mas prometeu que a ajuda está, de facto, a caminho.

Alguns estudantes estão muito doentes e temem que a sua saúde seja ainda mais afetada. Além disso, os estudantes receiam que Kherson seja alvo de bombardeamentos mais intensos muito em breve. Para Akpan, a ajuda deve chegar mais cedo e não mais tarde.

"Conseguimos obter informações de que os russos estão a recrutar mais tropas aqui. Por isso, vai ser tão, tão confuso, é por isso que estamos a gritar e a pedir ajuda agora que ainda há possibilidade de nos ajudarem", disse Akpan.

Assistir ao vídeo 02:56

Pode surgir de África a solução para a crise do gás na Europa?

Leia mais