Estado Islâmico reivindica atentado contra posição militar no Mali | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 03.11.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Estado Islâmico reivindica atentado contra posição militar no Mali

Grupo jihadista diz ter sido responsável pelo ataque que deixou 54 mortos, a maioria soldados malianos, no leste do país. Se confirmada a autoria, este será o maior atentado do EI desde a morte do seu antigo líder.

Soldados das Forças Armadas do Mali

Soldados das Forças Armadas do Mali

O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) reivindicou este domingo (03.11) a autoria do atentado realizado contra uma posição militar localizada no leste do Mali. O ataque deixou 54 mortos, entre os quais um civil, segundo as informações oficiais.

Entretanto, de acordo com a organização jihadista, o número de baixas chegou a 70. O anúncio foi feito pela agência de notícias do EI, a "Amaq", e pelo aplicativo de mensagens Telegram.

No texto, o grupo jihadista diz ter obtido êxito num "grande ataque", em que também houve uma dezena de feridos, incluindo militares malineses. O EI aponta ainda que os jihadistas destruíram vários tanques e veículos militares que estavam na base de Indelimane e depois se retiraram sem qualquer baixa, versão que coincide com a divulgada pelo Governo do Mali.

Os jihadistas estavam equipados com lança-granadas e fuzis de assalto.O grupo chegou em motos e caminhonetes e abriu fogo por cerca de meia hora, tomando o controle da unidade militar por algumas horas.

"Na sequência do ataque à posição das FAMA [forças armadas do Mali] em Indelimane, foram encontrados 54 corpos, incluindo um civil", confirmou o ministro porta-voz do Governo do Mali, Yaya Sangaré, numa mensagem divulgada na rede social Twitter.

Violência

Caso a autoria do atentado seja confirmada, o atentado no Mali seria o primeiro de grande porte realizado pelo grupo jihadista EI após a morte do seu antigo líder Abu Bakr al Baghdadi, que foi morto na semana passada, na Síria. 

A morte de Al Baghdadi, o terrorista mais procurado do mundo, foi anunciada por Trump no último domingo (27.10). O antigo líder do EI foi morto numa operação na cidade de Barisha, a apenas seis quilômetros da fronteira da Turquia.

Ataques terroristas afetam o Mali desde 2012, quando houve um golpe de Estado que deixou o controlo do norte do país nas mãos de grupos rebeldes tuaregues, apoiados por células terroristas.

Leia mais