Estado Islâmico na província moçambicana de Cabo Delgado: Estratégia de pressão? | NOTÍCIAS | DW | 05.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Estado Islâmico na província moçambicana de Cabo Delgado: Estratégia de pressão?

Com a reivindicação feita pelo Estado Islâmico do último ato de insurgência em Cabo Delgado, analista opina que autoridades moçambicanas já podem procurar saber as reais motivações dos jihadistas em relação a Moçambique.

O SITE Intelligence, plataforma que monitora as atividades dos jihadistas no mundo, informou que o grupo extremista Estado Islâmico reivindicou pela primeira vez, nesta terça-feira (04.06.), um ato de insurgência em Cabo Delgado, província do norte de Moçambique.

O comunicado da plataforma, citado pela agência AFP, indica que os combatentes do califado conseguiram repelir um ataque do exército moçambicano na aldeia de Metubi, na região de Mocimboa da Praia, fazendo mortos e feridos, mas não cita números.

Conhecer a o inimigo é entendido como uma vantagem para o Governo moçambicano. Em declarações à DW África, o analista moçambicano Pedro Nhacete  afirmou que "já há possibilidade de se apurar ou procurar saber quais são as motivações do Estado Islâmico. Pelo menos já há pistas ou aparece uma reivindicação do Estado Islâmico que o Governo pode procurar saber o que se reivindica. Esse é um passo importante que se pode dar", disse Nhacete.

Cimeira EUA-África debate extremismo

Ouvir o áudio 03:58

Estado Islâmico na província moçambicana de Cabo Delgado: Estratégia de pressão?

A confirmar-se, efetivamente o facto, a cara dos atacantes só surge cerca de um ano e meio depois do início dos ataques armados. Isto acontece numa altura em que aparentemente os interesses empresariais norte-americanos na área de segurança em Moçambique estão "empatados" e pouco antes da cimeira de negócios EUA - África, que decorre de 18 a 22 de junho em Maputo e que poderá ter como tema subjacente a questão do extremismo.

Em simultâneo, os dois países degladiam-se pela extradição de Manuel Chang, ex-ministro das Finanças de Moçambique, no contexto das dívidas ocultas e numa altura decisiva no que se refere ao investimento das petrolíferas norte-americanas em Cabo Delgado. Seria forçar uma ligação desses factos? 

O investigador do Departamento de Paz e Segurança do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, Emílio Jovando, explica que, "não podemos fazer generalizações, são muitos aspetos adjacentes aos fenómenos que qualquer generalização pode nos levar a erro. Mais do que isso é uma primeira reivindicação que ocorre basicamente depois de dois anos do início dos eventos, é muito tempo para a análise do comportamento da estratégia dos grupos extremistas usam em situações análogas."

Mosambik, Cabo Delgado: Soldat in Naunde (Borges Nhamire)

Foto de arquivo: Ataque armado à aldeia de Naunde (Cabo Delgado) em 2017

Contudo, o especialista sublinha que uma análise nesse sentido é oportuna e relevante. E recorda que ao nível de Estados, Moçambique coopera com os EUA na área da segurança marítima desde 2010.

"Pecado natural"

Já no caso de interesses privados, concretamente dos supostos interesses na área de segurança, Jovando entende que o setor é caraterizado por um "pecado natural".

Segundo Emílio Jovando, "a empresa de Erik Prince dificilmente vai conseguir vender a imagem de um provedor de segurança tendo em conta o contexto e os fenómenos que estão a acontecer. Transmite de forma implícita a ideia de que eles são um dos motores ou elementos que criam instabilidade para a partir daqui apresentar soluções de segurança", afirma o analista em questões de segurança e sublinha também que consciente ou não, "ela acaba resvalando nessa perceção, seja ela objetiva ou subjetiva. E isso dificilmente vai sair dos cálculos e análise securitárias das formas relevantes de tomada de decisão na área de política de defesa e segurança em Moçambique."

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados