Estádios vazios na África do Sul na véspera do CAN 2013 | MEDIATECA | DW | 27.12.2012

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

MEDIATECA

Estádios vazios na África do Sul na véspera do CAN 2013

A menos de um mês do início do Campeonato Africano das Nações de 2013, as capacidades dos 10 estádios sul-africanos que em 2010 acolheram o Mundial de Futebol não estão a ser aproveitadas na totalidade.

Ouvir o áudio 03:00

Dois anos e meio depois de ter acolhido o Mundial de Futebol, a África do Sul é a anfitriã do Campeonato Africano das Nações de 2013 (CAN 2013), que terá lugar de 19 de janeiro a 10 de fevereiro do próximo ano. No entanto, os estádios que há dois anos acolheram o campeonato, e que custaram cerca de 1,5 mil milhões de euros, salvo raras exceções, normalmente estão praticamente vazios.

Durante o Mundial de 2010, o estádio "Green Point Stadium", na Cidade do Cabo, ficou famoso pela sua arquitectura e pela localização, junto ao Atlântico. Entretanto, mudou de nome e chama-se agora "Cape Town Stadium". As autoridades municipais assumiram as rédeas do recinto. O estádio é utilizado, sobretudo, por equipas de futebol da primeira liga, como o Ajax Cape Town, da Cidade do Cabo.

Depois do Mundial, o número de espectadores até aumentou, diz o técnico da equipa, Max Grünewald. "A questão agora é: será que o novo estádio atrai mais pessoas, pessoas que não puderam comprar ingressos durante o Mundial, ou será que é uma tendência a longo prazo?", questiona. Provavelmente não é, porque a média de público ronda os 9 mil espectadores, reconhece Grünewald.

"Mas temos de dizer que num jogo contra os Kaizer Chiefs ou os Orlando Pirates, estão aqui 50 a 60 mil espectadores. A casa está cheia. E há outros jogos onde jogamos para um estádio com 500, 700 pessoas. São poucas pessoas para um estádio tão grande", admite o treinador.

Cidade do Cabo tenta rentabilizar estádio

O problema existe também noutros estádios do Mundial. Os Kaizer Chiefs de Joanesburgo constumam jogar em Soccer City, o maior estádio da África do Sul. "No derby de Soweto, por exemplo, a casa está lotada com 80 mil pessoas. Isso é impressionante. Mas noutros jogos o estádio está vazio", diz Max Grünewald.

Na Cidade do Cabo, pensou-se mesmo em demolir de novo o estádio. O recinto custou cerca de 450 milhões de euros. Pam Naidoo, gerente comercial do estádio, rejeita as críticas aos custos. "Há, obviamente, um grupo de interesses, que diz que o estádio é demasiado caro. Eu não penso que tenha de ser mandado abaixo. O estádio vale a pena, sem dúvida", afirma.

A cidade tenta rentabilizar o estádio em particular com concertos de música. Além disso, há visitas ao recinto, eventos, conferências, festas de casamento. O estádio até já serviu de cenário a filmes de Hollywood e Bollywood. Ainda assim, tudo isso não chega para pagar a manutenção. No ano passado, o estádio teve uma despesa de 50 milhões de rands sul-africanos, cerca de 437 mil euros, mas só entraram em caixa 11 milhões de rands.

O estádio quer mudar isso e construir restaurantes ou escritórios, por exemplo. No enatanto, o estádio sofreu também um revés. A Cidade do Cabo ficou fora do Campeonato Africano das Nações de 2013. "Nós fomos convidados a participar, mas o risco financeiro era muito grande para nós, sem determinadas garantias financeiras do governo. É pena e muitas pessoas ficaram desiludidas", conta Pam Naidoo.

Muitos também esperam que o estádio seja cada vez mais utilizado para jogar rugby, que ao lado do futebol e do cricket, é o desporto mais popular da África do Sul.

Autores: Arnulf Boettcher/Guilherme Correia da Silva
Edição: Madalena Sampaio/António Rocha