Empresa quer construir novo comboio para ligar Moçambique, Zimbabué e Zâmbia | Moçambique | DW | 16.03.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Empresa quer construir novo comboio para ligar Moçambique, Zimbabué e Zâmbia

Projeto promete reduzir em dez vezes o tempo de transporte de mercadorias da Beira a Lusaca. Reuniões entre executivos da empresa Railnet e Governo moçambicano terão lugar nesta semana em Maputo.

Um projeto audacioso de um comboio para transportar passageiros e cargas por três países da África Austral está a ser negociado entre a empresa norte-americana Railnet e os governos de Zâmbia, Zimbábue e Moçambique.

Nesta segunda-feira (16.03), a Railnet vai reunir com o Governo de Moçambique para definir os detalhes da operação.

O projeto promete reduzir significativamente o tempo de transporte de cargas do porto da Beira, em Moçambique, até a capital Lusaca na Zâmbia. O novo comboio custará cerca de 11 mil milhões de dólares [mais de 9,8 mil milhões de euros].

O transporte de mercadorias entre Moçambique e Zâmbia atualmente é feito com camiões e demora cerca de um mês. Com a nova linha de caminhos de ferro, o trajeto seria possível em três dias.

"[O Governo da] Zâmbia ficou muito impressionado por nós conseguirmos levar 800 toneladas de contentores do porto [da Beira] à Zâmbia em três dias. Isso mudaria completamente o jogo porque um comboio pode circular e voltar ao porto sete dias depois, quando os navios partem”, explica o diretor executivo da Railnet, Donald Kress, em entrevista à DW África.

Donald Kress, Geschäftsführer von Railnet

Donald Kress (esq.) com Mischeck Lungu (dir.), do Ministério dos Transportes da Zâmbia

Transporte de passageiros

Para além do transporte de mercadorias, o projeto também prevê o transporte de passageiros entre a Beira, em Moçambique, e Lusaca - capital da Zâmbia.

O início da construção da ferrovia está previsto para janeiro de 2021 e o financiamento contempla também locomotivas movidas a diesel e veículos de apoio.

Os testes de viabilidade na Zâmbia devem começar nos finais de abril. Kress explicou que se trata de um sistema transporte de padrão norte-americano e que o projeto vai aproveitar a infraestrutura que existe entre Moçambique e Zimbabué.

Do Zimbabué à Zâmbia, está prevista a construção de uma ferrovia completamente nova - algo que irá favorecer os negócios na região.  "Pelo que eu percebi eles apenas têm um voo por dia. Então isso seria ótimo para as viagens de negócios.”

Os novos comboios não serão de alta velocidade, como foi divulgado num primeiro momento. Os comboios de transporte de mercadorias deverão chegar a 120km/h, já os de passageiros a 160 km/h.

Comboios de alta velocidade circulam a 300 km/h. "A densidade populacional local não suportaria comboios de alta- velocidade”, segundo o executivo da Railnet.

Ouvir o áudio 03:18

Novo comboio ligará Moçambique, Zimbabué e Zâmbia

Rentabilidade dos novos caminhos de ferro

Donald Kress esclarece que a passagem por Mutare, no Zimbabué, não é por acaso. "O nosso responsável financeiro esteve no Zimbabué e disse que tínhamos de construir uma ferrovia naquela zona. Ele disse que é a maior área de produção de diamantes na região. Eu tenho visto os mapas e tenho estado a contemplar como vamos fazer para ligar isso tudo”, empolga-se.

O financiamento do projeto será assegurado pela MAGCOR Internacional - uma empresa internacional sedeada no Gana. Kress concorda que o investimento é alto e ambicioso, mas, confiante, ele diz que "é a única opção quando se constrói algo para o futuro”.

"Vamos fazer como fez o FDOT (o departamento de Transportes da Flórida) em que os lucros da ferrovia vão pagar o empréstimo e daqui a 30 anos nós entregamos tudo ao Governo. O Governo apenas tem de assegurar as terras e nós garantimos o financiamento”, explica.