Empresa moçambicana leva superalimentos à Alemanha | Moçambique | DW | 22.01.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Empresa moçambicana leva superalimentos à Alemanha

Empresa de Nampula apresenta benefícios dos suplementos alimentares à base de mucuna e moringa na Semana Verde, em Berlim. Produtor diz que diferencial da marca é controle da cadeia produtiva.

Deutschland Brerlin Grüne Woche Stand von Mosambik (DW/C. Vieira Teixeira)

Stand de Moçambique na Semana Verde

Uma empresa do setor agrícola africana busca ingressar nos mercados alemão e europeu. A moçambicana Matharia Empreendimentos participa pela primeira vez da Semana Verde e trouxe à capital alemã suplementos alimentares produzidos a partir de dois vegetais que cultiva nas suas machambas (campos agrícolas) em Ribaué, na província de Nampula. A folha da moringa é desidratada e processada para a produção de um pó e de chás.

"A ideia é dar às pessoas um leque variado de formas de consumo em que o pó poderia ser usado, misturado com outros alimentos - como iogurte, sopa ou sumo de frutas – e o chá seria para fazer uma infusão", explica Alexandre Santos, sócio e diretor-geral da Matharia.

Ouvir o áudio 04:08

Empresa moçambicana leva superalimentos à Alemanha

Superalimentos

A empresa considera tratar-se de superalimentos devido aos vários benefícios que a folha da planta pode proporcionar. Além de nutritiva, o vegetal também rico em fibras, vitaminas e minerais, como o ferro, e tem alto valor energético.

"As pessoas começam a sentir uma melhoria na energia só com um mês de consumo regular e isso, obviamente, afeta no geral o estado emocional da pessoa. Ela tem muito mais vontade e disponibilidade para as suas atividades diárias", garante Santos.

Na Semana Verde, a empresa está a lançar o seu novo produto. O pó de mucuna pruriens, também conhecido como feijão-da-flórida. Rico em levodopa, o mucuna contribui para o aumento da produção de dopamina.

"É uma substância que ajuda desde a melhoria da coordenação motora, a melhoria da concentração. Também afeta a componente da libido, tanto nas mulheres como nos homens", descreve o diretor-geral da empresa.

Deutschland Brerlin Grüne Woche Stand von Mosambik (DW/C. Vieira Teixeira)

Produtos apresentados na Semana Verde

Apoio a doentes

Uma particularidade do mucuna é que o suplemento pode ser usado para apoiar o tratamento da síndrome de Parkinson, que se caracteriza pelo défice de dopamina no cérebro.

"Os sintomas são tratados com medicamentos à base de dopamina e esta é uma fonte natural de dopamina. É um produto que já é bastante usado na cultura oriental, na Índia, e agora o mundo ocidental começa a acordar para este tipo de produtos. No caso do Parkinson, tem efeitos colaterais muito menores ou quase nenhuns, comparado com a medicação normal", afirma Alexandre Santos.

Apesar dos benefícios para a saúde, os suplementos alimentares não são medicamentos.

"Certamente, não é um medicamento e, no caso das pessoas com Parkinson, teria-se sempre que usar com a indicação do seu médico", esclarece.

Deutschland Brerlin Grüne Woche Stand von Mosambik Alexandre Santos (DW/C. Vieira Teixeira)

Alexandre Santos: "Melhoria na energia com um mês de consumo regular"

Entretanto, garante que os benefícios do consumo do mucuna e da moringa são comprovados pelo seu uso tradicional, mas também por estudos científicos.

"No nosso sítio na internet vamos tendo o cuidado de colocar trabalhos científicos publicados para que as pessoas também possam, por si, fazer a sua pesquisa naqueles documentos e depois podem, a partir daí, encontrar outros eventualmente", acrescenta Santos.

Mercado europeu

No momento, os produtos são comercializados apenas em Moçambique e ainda não estão certificados para a comercialização na Europa.

A Semana Verde de Berlim é a mais importante feira internacional para a indústria alimentícia, agricultura e horticultura.

Alexandre Santos diz que já há produtos deste tipo na Europa, mas acredita no diferencial da sua marca que é não haver intermediários entre o produtor e o distribuidor.

"Há um longo caminho que, na realidade, traz desconhecimento sobre a origem e a qualidade do produto. O diferencial que queremos trazer é o produto que vem diretamente do produtor. Então, a gente produz, processa, empacota e controla a maior parte da cadeia", conclui.

Produtores e comerciantes da indústria agrícola global apresentam e comercializam os seus produtos na Semana Verde até o próximo dia 26 de janeiro.

Leia mais