Empreendedores africanos em Portugal trocam ideias em Lisboa | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 19.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Empreendedores africanos em Portugal trocam ideias em Lisboa

Influenciadores digitais africanos em Portugal reúnem-se sábado, em Lisboa, numa iniciativa independente que visa o intercâmbio e a conquista de reconhecimento. A DW conversou com dois deles sobre novas oportunidades.

Claudina Correia começou como blogger e hoje é uma das influenciadoras digitais africanas mais populares

Claudina Correia começou como blogger e hoje é uma das influenciadoras digitais africanas mais populares

Saber potencializar as vantagens da Internet pode ajudar a transformar a vida de muitos jovens, criando oportunidades de emprego e de negócios, dizem influenciadores digitais ouvidos pela DW África.

Claudina Correia, filha de pais cabo-verdianos, começou como blogger há cerca de quatro anos (2016), "por mera curiosidade", além de estar também ligada a um canal no YouTube. Colaborava na organização de eventos. "Com isso, consequentemente, surgiu também a realização de concursos de beleza e vou trabalhando em paralelo com ambas as coisas", conta.

A jovem de origem cabo-verdiana, formada em turismo, é autora do blogue FEMEA.TOP, página que usa para publicar regularmente conteúdos diversos na Internet. Está entre os influenciadores digitais africanos mais populares entre os utilizadores das redes sociais do espaço lusófono. Agora, decidiu apostar na formação, em busca de mais organização e profissionalismo. "Vou também desenvolver uma área profissional de consultoria de imagem e de beleza e estou a terminar a formação nesse sentido para transformar a plataforma", revela.

Claudina Correia diz que, ao longo do tempo, foi tendo a perceção do potencial de negócio que as redes digitais lhe poderiam proporcionar. Também tem sentido um interesse considerável por parte de outras mulheres que consultam a sua plataforma. "Quem realmente quer desenvolver um negócio deve conhecer o potencial que, para o efeito, as plataformas digitais geram", sublinha.

"Ajudamos a crescer"

Francisco Sidney, a viver há cerca de cinco anos em Portugal, integra uma equipa de cinco pessoas que alimenta a plataforma de vídeos Tellas, a primeira criada em Angola em 2018. Antes, os membros do grupo tinham conteúdos dispersos pelo YouTube, de forma desorganizada. "Nós pensámos em fazer uma coisa nova. Não havia um lugar que as pessoas pudessem aceder e encontrar de forma organizada variadíssimos conteúdos. Desde filmes, séries documentais, até cursos, aulas de dança como o kuduru nós temos na plataforma", explica.

Ouvir o áudio 02:59

Empreendedores africanos trocam ideias em Lisboa

O objetivo era "organizar melhor" os conteúdos, fazendo com que "qualquer pessoa, angolano, moçambicano, inglês ou francês, conseguisse entrar na plataforma para saber isto é Angola, isso é africano".

A plataforma já garante trabalho, de forma indireta, a jovens com baixos rendimentos, que conseguem rentabilizar os seus conteúdos, adianta o estudante angolano. "Estamos a incentivar que produzam, levem os seus conteúdos até ao Tellas e comecem a rentabilizar com isso. Nós analisamos o conteúdo, vemos se é bom. E se não for bom, nós não eliminamos: ajudamos a crescer, a elaborar melhores conteúdos. Ou seja, de certa forma, estamos a fazer com que os jovens se auto-empreguem", diz.

"Este é o futuro"

O também jurista confirma que ainda são poucos os influenciadores digitais africanos em Portugal. Apela aos jovens a estarem mais atentos às novas tecnologias e à inovação. "Este é o futuro", projeta, "porque a Internet oferece muitas oportunidades."

Muitos destes jovens começaram de forma muito informal. A troca de experiências entre eles, segundo Claudina Correia, pode ajudar a desenvolver as respetivas áreas para um nível mais profissional. "Há pessoas que são mais da área de comunicação, de marketing, que desenvolvem conteúdos de vídeos, ajudam na criação de sites. Seria uma forma de ajuda entre nós para melhorar cada um dos nossos trabalhos", sugere.

Este sábado (19.10), realiza-se pela primeira vez, em Lisboa, o Encontro de Empreendedores Digitais Africanos Residentes em Portugal. "É algo que estava a fazer falta", diz Claudina Correia. Francisco Sidney concorda e considera pertinente os influenciadores trocarem ideias, interessarem-se pelos projetos uns dos outros, falarem sobre o futuro e crescerem todos juntos.

A ideia não é a de criar uma associação, mas certamente uma comunidade unida, dando a conhecer novas plataformas e o potencial que representam em áreas diversas de interesse público. 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados