Emmerson Mnangagwa reempossado Presidente do Zimbabué | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 26.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Emmerson Mnangagwa reempossado Presidente do Zimbabué

Este domingo (26.08), Emmerson Mnangagwa fez seu juramento de posse, para um período de mais cinco anos, após uma vitória eleitoral apertada e contestada pela oposição.

A cerimónia de posse de Emmerson Mnangagwa acontece dias depois de o Tribunal Constitucional (TC) do Zimbabué ter rejeitado, na passada sexta-feira (24.08), a alegação da oposição de que sua vitória eleitoral, em 30 de julho, foi manipulada.

Diante de milhares de apoiadores, no estádio nacional da capital Harare, Mnangagwa fez o juramento.

"Eu, Emmerson Dambudzo Mnangagwa, juro que, como Presidente da República do Zimbabué, serei fiel ao Zimbábue [e] obedecerei, apoiarei e defenderei a constituição do Zimbabué," proferiu.

Simbabwe Amtseinführung nach Präsidentenwahl (picture-alliance/AP Photo/T. Mukwazhi)

Juízes estiveram presentes na cerimónia

A cerimónia deste domingo foi presidida pelo juiz do Supremo Tribunal, Luke Malaba, que juntamente com outros oito juízes do Tribunal Constitucional, na semana passada, rejeitaram a petição da oposição contra a vitória eleitoral de Mnangagwa.

Esta foi a segunda vez que Mnangagwa foi empossado, depois de ter assumido o lugar de Mugabe, em novembro passado. Mas foi sua primeira posse depois de ganhar quase 51%de apoio eleitoral, contra 44%cento de seu rival, Nelson Chamisa.

Os chefes de Estado da África do Sul, Congo, Ruanda e Zâmbia estavam entre os que compareceram. Já o ex-líder do Botswana e um crítico ferrenho de Mugabe, Ian Khama, participou da primeira posse de Mnangagwa em novembro, mas não compareceu à cerimónia deste domingo.

Reações e cenário atual

Nelson Chamisa, o principal líder da oposição no Zimbabué, rejeitou a decisão do TC e, antes da posse, descreveu-a como "falsa". Ele prometeu intensificar protestos pacíficos contra o Governo de Mnangagwa.

Simbabwe Wahlen Nelson Chamisa (Reuters/P. Bulawayo)

Nelson Chamisa

Os observadores eleitorais dos Estados Unidos reagiram à decisão judicial de sexta-feira (24.08) pedindo que "todos os lados evitem atos ou ameaças de retaliação contra rivais políticos".

O líder religioso, Andrew Wutawunashe, que deu a bênção antes do juramento de posse, apelou ao Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para suspender as sanções contra o Zimbábue e seu líder.

"Estamos dizendo a você, finalmente encontramos um homem que pode fazer da nossa pequena nação uma grande nação. Por favor, ajude-o," disse Wutawunashe.

Mnangagwa, que é apoiado pelas forças armadas do país, enfrenta agora a gigantesca tarefa de reconstruir uma economia que permanece em depressão, após anos de má administração e hiperinflação. Protestos mortais após a eleição de julho demonstram a necessidade urgente de unir uma nação que esperava que a era pós-Mugabe traria mudanças.

Apesar da oposição alegar fraude eleitoral, os observadores ocidentais observaram poucas questões em torno da votação pacífica. Mas expressaram preocupação sobre o "uso excessivo da força" dois dias depois, quando seis pessoas foram mortas – na ação dos militares para dispersar os protestos. Vários partidários da oposição foram presos nos dias após a votação.

Leia mais