Eleitores guineenses terão registro manual para as eleições | MEDIATECA | DW | 05.08.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

MEDIATECA

Eleitores guineenses terão registro manual para as eleições

Modelo de cadastramento contará com a foto do eleitor. Presidente confia que comunidade internacional contribuirá com dinheiro que falta para o pleito. Prováveis candidatos já testam interesses de eleitores.

Ouvir o áudio 03:10

Partidos políticos, organizações da sociedade civil, juristas e governo de transição decidiram, nesta sexta-feira (2/8), que o cadastramento dos eleitores para as eleições gerais de 24 de novembro será feito de forma manual.

As eleições gerais concluirão um período de transição iniciado com o golpe militar de abril de 2012, quando o Presidente interino, Raimundo Pereira, e primeiro-ministro, Carlos Gomes Júnior, foram depostos. Serifo Nhamadjo assumiu o poder apoiado pelos militares.

Ainda havia dúvidas se o registro dos candidatos seria manual ou biométrico. A opção, segundo os participantes do encontro, foi de um recenseamento "manual melhorado".

O novo modelo difere do antigo porque terá a fotografia do eleitor, acreditando-se assim em maior segurança para o voto.

Os custos

O diretor-geral do Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral, Cristiano Na Bitan, disse que é preciso cerca de 10 milhões de euros para o registro. O pleito deve ter mais de 840 mil eleitores. Na Bitan afirmou que o modelo escolhido tem custos elevados. "O eleitor será fotografado e o voto será impresso imediatamente", disse.

Na Bitan acredita que, com a disponibilização dos recursos materias a tempo, será possível realizar o registro eleitoral em 60 dias. O Presidente Serifo Nhamadjo garante que uma parte da verba está disponível. "Já temos quase a metade [da verba]. Falta agora à comunidade internacional juntar esforços para completar", disse Nhamadjo.

Segundo o Presidente de transição, uma comissão constituída por juristas está a trabalhar na preparação de um anteprojeto de revisão pontual da lei eleitoral. Na quarta-feira (7/8), irá apresentar as suas conclusões que serão submetidas ao Parlamento para ratificação.

"Vamos adotar o 'manual melhorado', mas as especificações técnicas virão no projeto de lei", esclareceu o presidente.

Campanha antecipada

Ainda que pairem dúvidas se na realidade as eleições gerais terão lugar a 24 de novembro, vários candidatos já estão a contatar suas bases nas comunidades, numa espécie de pré-campanha eleitoral. Outros já começam, inclusive, a distribuir camisetas e panfletos.

Algumas figuras conhecidas do eleitor guineense já manifestam publicamente a vontade de concorrer às presidenciais.

Tcherno Djaló, antigo ministro da Educação, que agora vive e trabalha em Portugal como docente na Universidade Lusófona, Hélder Vaz, antigo diretor-geral da CPLP, e Carmelita Pires, ex-ministra da Justiça, conhecida como a 'mulher de ferro' pela luta contra o tráfico de drogas, são nomes de destaque.

O primeiro-ministro deposto em 2012, Carlos Gomes Júnior, também já manifestou interesse de voltar ao governo.

Fernando Vaz, atual porta-voz do governo de transição, e o Economista Paulo Gomes, que foi quadro superior do Banco Mundial e do Banco Africano de Desenvolvimento, são outros nomes que surgem com força. Paulo Gomes regressou à Guiné-Bissau após 15 anos a residir no estrangeiro.