Eleições em São Tomé: Vencedor da primeira volta questiona dados provisórios | São Tomé e Príncipe | DW | 21.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

São Tomé e Príncipe

Eleições em São Tomé: Vencedor da primeira volta questiona dados provisórios

Carlos Vila Nova, mais votado na primeira volta das presidenciais são-tomenses, exige esclarecimentos da Comissão Eleitoral Nacional sobre os dados provisórios, insistindo que o seu resultado foi superior ao divulgado.

Carlos Vila Nova, candidato mais votado na primeira volta das presidenciais de 18 de julho

Carlos Vila Nova, candidato mais votado na primeira volta das presidenciais de 18 de julho

"Vamos continuar a trabalhar no sentido que a Comissão Eleitoral esclareça de facto o povo de São Tomé e Príncipe sobre o que se passou, qual é a sua intenção e o porquê da interrupção" da divulgação dos resultados eleitorais na noite de domingo, disse esta quarta-feira (21.07) Vila Nova, em entrevista à agência Lusa e à Rádio França Internacional (RFI), na capital são-tomense.

O candidato, apoiado pela Ação Democrática Independente (ADI, oposição), obteve 39,47% dos votos, num total de 32.022 votos, passando à segunda volta das presidenciais com Guilherme Posser da Costa (apoiado pelo Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe -- Partido Social Democrata), que teve 16.829 votos (20,75%).

"Vamos continuar a fazer esse trabalho e procurar informações, interpor recursos, reclamações", acrescentou, especificando que a sua candidatura já apresentou reclamações junto da CEN.

"Fenómenos estranhos"

Vila Nova apontou que, desde o dia da eleição, a sua equipa alertou para "fenómenos estranhos que vinham acontecendo e que lamentavelmente mancham estas eleições". 

Assistir ao vídeo 02:24

São Tomé e Príncipe vota para escolher novo Presidente

"Pela primeira vez interrompeu-se a emissão com pretextos que não convencem ninguém", disse, referindo-se à transmissão em direto, pela rádio e televisão nacionais, dos resultados das mesas de voto. 

"Quando a contagem dava uma estimativa de intenção de voto de 43 por cento ao candidato Vila Nova, faltava ainda o distrito de Mé-Zochi, que é um bastião nosso por simpatia e por tradição nessas eleições, e é o segundo mais populoso do país. A verdade é que, sem qualquer explicação, quase 24 horas depois, a Comissão Eleitoral anuncia os resultados preliminares e o candidato Vila Nova passa a 39 por cento e não se sabe se o distrito de Mé-Zochi está incluído ou não", relatou. 

Apuramento de dados

Além disso, no apuramento de dados com base nos editais e nas atas, a candidatura de Vila Nova concluiu que há "por explicar cerca de 4.500 votos" que alegadamente faltam.

Casos todos esses votos fossem atribuídos à sua candidatura, disse, seria "uma margem muito mais confortável".

"Nós sempre acreditámos no nosso trabalho e que poderíamos resolver essas eleições à primeira volta", comentou.

"O povo sente-se roubado. Na nossa candidatura tudo faremos para respeitar o povo e que as eleições não baixem de maneira nenhuma o amadurecimento democrático que São Tomé e Príncipe tem vivido", afirmou. 

Assistir ao vídeo 02:32

São Tomé: Presidente alerta contra compra de votos

Leia mais