Eleições em Angola recebem críticas de político alemão | Angola | DW | 31.08.2012

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Eleições em Angola recebem críticas de político alemão

Um deputado alemão no Parlamento Europeu acusa o presidente da Comissão Europeia, Manuel Durão Barroso, de colocar interesses portugueses acima da democracia angolana, além de criticar a corrupção no país africano.

Angola passa por momentos decisivos. Nas mãos de um mesmo dirigente por mais de 30 anos, o país lusófono de África que passou por três guerras civis desde 1975, onde morreram cerca de 500 mil pessoas, votou esta sexta-feira (31.08) para eleger o próximo Chefe de Estado. O atual, José Eduardo dos Santos, concorreu à sua reeleição.

As eleições gerais desta sexta feira foram criticadas por Wolfgang Kreissl-Dörfler, deputado alemão do Partido Social Democrático (SPD) no Parlamento Europeu. Ele culpou o presidente da Comissão Europeia pela ausência de uma delegação de observadores europeus em Angola.

Um negócio em família

Na opinião dele, o escrutínio decorrerá apenas parcialmente de forma democrática. "Mas o resultado está fixado e muitos votos com certeza foram comprados", critica Kreissl-Dörfler. Entre 1986 e 1987, o deputado alemão trabalhou como perito da Ação Agrária Alemã (Deutsche Welthungerhilfe) em Angola. Em 1992, Wolfgang Kreissl-Dörfler observou as primeiras eleições angolanas como membro da missão da ONU.

O deputado alemão no Parlamento Europeu se mostrou insatisfeito com a forma como decorreram essas eleições gerais em Angola. Para ele, a democracia avança muito lentamente no país africano.

Diz à rádio nacional alemã, Deutschlandradio, que a repressão ainda é violenta em Angola. "É preciso ver que muitos ainda estão traumatizados com as consequências da guerra. É de se esperar que isso mude nos próximos anos. Mas se o MPLA [o partido no poder] ganhar, e parece que vai ganhar, então o José Eduardo Dos Santos ficará por mais dez anos e os clãs familiares irão determinar a vida lá.", alerta.

Wolfgang Kreissl-Dörfler

Wolfgang Kreissl-Dörfler critica o governo de Angola

Interesses econômicos

Kreissl-Dörfler lamenta o fato de a União Europeia ter enviado apenas dois representantes e não uma delegação de observadores às eleições gerais de Angola. O deputado culpa o presidente da Comissão Europeia, Manuel Durão Barroso, que é português, pela decisão: "A culpa é do Barroso, uma vez que Portugal e Angola têm grandes ligações econômicas. Deve-se consolidar o quão bom é o trabalho do regime, que se tem confiança no regime, no MPLA. Mas considero errado."

O parlamentar europeu criticou as condições de educação e infra-estrutura, além da alta corrupção em Angola. Baseado nisso, muitos questionam por que a maioria dos angolanos vota no MPLA, que nas eleições de 2008 recebeu mais de 80% dos votos.

Para Kreissl-Dörfler, a resposta estaria na esperança. "Eles também esperam alcançar alguma coisa. É como em todos os sistemas. Se quer preferencialmente estar ao lado do ganhador." Mas para ele há exemplos históricos de mudanças pouco esperadas: "Também nunca acreditamos que algo mudaria no Egito, na Tunísia, ou na Líbia."

Autores: Cristiane Vieira Teixeira
Edição: Bettina Riffel / António Rocha / Johannes Beck

Ouvir o áudio 02:39

Eleições em Angola recebem críticas de político alemão

Leia mais