Economia: O grande desafio do próximo Presidente do Zimbabué | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 24.07.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Economia: O grande desafio do próximo Presidente do Zimbabué

A economia do Zimbabué está mal. A taxa de desemprego é extremamente elevada e o país precisa de investimentos. A uma semana das eleições gerais, candidatos prometem melhorias - mas não dizem como.

O Zimbabué realiza, na próxima segunda-feira (30.08), as primeiras eleições gerais sem Robert Mugabe, que deixou a Presidência em novembro passado. E Emmerson Mnangagwa, que o substituiu interinamente, ainda não conseguiu revitalizar a economia em colapso.

Nas ruas do centro de Harare, a maioria dos negócios gira em torno da venda de roupas, alimentos e de câmbios. Esta é a pequena economia que muitos zimbabuanos conhecem, após 37 anos de governação do ex-Presidente Mugabe. Analistas estimam que a taxa de desemprego no país atinja os 85%.

Ouvir o áudio 03:56

O grande desafio do próximo Presidente do Zimbabué

Esperança em dias melhores

Violet Mharapara, ex-funcionária de uma empresa de computadores que fechou, vende agora roupas em segunda mão, que importa do vizinho Moçambique. A sua esperança é que, depois das eleições gerais, a vida melhore.

"Queremos ter lugares construídos para nós, para que possamos vender livremente e fazer negócios", afirma.

No Zimbabué, há falta de dinheiro. Muitos cidadãos passam as noites em filas à porta dos bancos na esperança de obter dinheiro na manhã seguinte.

"O que queremos mudar depois das eleições são as questões monetárias", diz Collins Chigwagwa, proprietário de uma barbearia. "Neste momento, estamos a usar três formas de pagamento: temos dólares, títulos de dívida e transferências pelo telemóvel. Num dia, podemos ter 30 clientes, mas só dez pagam com dinheiro. Os restantes transferem o dinheiro pelo telemóvel."

Promessas de melhorias

Durante a campanha eleitoral, tanto Nelson Chamisa, do Movimento para a Mudança Democrática, como o Presidente em exercício, Emmerson Mnangagwa, da União Nacional Africana do Zimbabué - Frente Patriótica (ZANU-PF), no poder, têm prometido alterar a situação económica e financeira do país. Mas não entram em detalhes.

Simbabwe Wahlkampf Präsident Mnangagwa

Presidente interino Mnangagwa em campanha

"O Zimbábue tornar-se-á uma nova jóia em África", anunciou Mnangagwa recentemente.

Chamisa traçou metas ambiciosas: "Até 2023, teremos um crescimento económico de dois dígitos, e, em 2039, a economia será de 100 mil milhões de dólares."

Como financiar?

O empresário Tangwara Chahwanda espera que a legalização recente da produção agrícola de cannabis pelo Governo do Presidente Mnangagwa ajude o país a conseguir divisas.

"É o negócio do momento", afirma. "É medicinal, dá para fazer roupas, dá para fazer cimento, pode-se fazer materiais para telhados… Se o Governo produzir cannabis, acho que gerará muito emprego e muitas receitas."

Já o economista Daniel Dhlela diz que é preciso melhorar o ambiente de negócios no Zimbabué, para que os investidores se sintam seguros.

"Os investidores internacionais apostam em países onde vêem que o Governo é transparente. Na verdade, não precisamos de os convidar para que batam à nossa porta. O Governo tem de ser transparente e certificar-se de que cria espaço fiscal para o investimento pelos setores privado e público. Se fala de corrupção, essa é uma área em que o Governo falhou."

Além disso, os economistas acusam o Executivo de gastos excessivos para apaziguar a sua base de apoiantes, especialmente neste ano eleitoral. Tanto Mnangagwa quanto Chamisa têm feito promessas que aumentarão os gastos do Estado caso algum deles vença as eleições.

Leia mais