Domingos Simões Pereira regressa na próxima sexta-feira a Bissau | Guiné-Bissau | DW | 10.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Domingos Simões Pereira regressa na próxima sexta-feira a Bissau

O líder do PAIGC, através do Facebook, disse que regressa à Guiné-Bissau para assumir o seu lugar de deputado no Parlamento. E avançou que vai convocar reuniões com os órgãos superiores do seu partido.

"Chegou o dia de regressar à Guiné-Bissau. É sexta-feira no dia 12", afirmou Domingos Simões Pereira, na mensagem que partilhou na sua página no Facebook.

O líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) disse que vai assumir o seu lugar de deputado na Assembleia Nacional Popular.

Domingos Simões Pereira disse também que vai convocar reuniões dos órgãos superiores do partido e para todos estarem preparados para transformar aquelas reuniões em encontros "históricos", durante os quais tudo será discutido.

Simões Pereira disputou as eleições presidenciais do final do ano passado com o atual Presidente, Umaro Sissoco Embaló, que assumiu o poder sem esperar pelo resultado do contencioso eleitoral que decorreu no Supremo Tribunal de Justiça.

Crise pós-eleição

Na sequência da sua tomada de posse, o Presidente guineense demitiu o Governo liderado por Aristides Gomes, do PAIGC, tendo nomeado um outro chefiado por Nuno Gomes Nabiam, líder da Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), e que inclui o Movimento para a Alternância Democrática (Madem G-15), o Partido de Renovação Social e elementos de movimentos que apoiaram a sua candidatura.

Assistir ao vídeo 01:43

Apoiantes de Domingos Simões Pereira lamentam resultados negativos

Aristides Gomes esteve refugiado na sede da Organização das Nações Unidas, em Bissau, quase um ano, e saiu da Guiné-Bissau há cerca de um mês.

O Governo de Aristides Gomes foi formado na sequência das eleições legislativas de 2019, ganhas pelo PAIGC, que conseguiu a maioria no parlamento com base numa coligação com a APU-PDGB, Partido da Nova Democracia e União para a Mudança.

O Governo de Nuno Nabiam conseguiu aprovar o seu programa no Parlamento, bem como os orçamentos de Estado de 2020 e 2021 com o apoio de cinco deputados do PAIGC.

Domingos Simões Pereira tinha anunciado recentemente, numa mensagem nas redes sociais aos seus apoiantes, a sua intenção de regressar à Guiné-Bissau.

Leia mais