Dois milhões de crianças fora da escola em Angola | Angola | DW | 18.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Dois milhões de crianças fora da escola em Angola

Falta de professores e de escolas são os principais motivos que provocam o afastamento de crianças do sistema de ensino. Até ao final do mês deverá arrancar concurso para colocação de mais 20.000 docentes.

"Ainda não temos o número total dos dados que estamos a pedir às províncias, mas rondam os dois milhões de crianças fora do sistema de ensino", admitiu terça-feira (17.04) a ministra da Educação, Cândida Teixeira, durante uma visita que está a realizar à província do Zaire, no norte do país.

Angola conta neste ano letivo de 2018, que decorre entre fevereiro e dezembro, com cerca de 10 milhões de estudantes no ensino geral, sendo a falta de professores e de escolas, nomeadamente nas zonas mais isoladas, os principais motivos que provocam o afastamento de crianças do sistema de ensino.

Assistir ao vídeo 01:54

Angola: Treinar campeões contra a discriminação

"No próximo ano é tentar reduzir ao máximo o número dessas crianças, através da inserção de novos professores e também ver a possibilidade de construção de novas salas de aula", reconheceu a ministra.

Cândida Teixeira referiu igualmente que "uma das questões críticas" na área da educação em Angola é a falta de laboratórios e bibliotecas de apoio às escolas de todo o país.

Mais 20.000 professores

Segundo o Governo angolano, até final deste mês deverá arrancar o concurso para a colocação de mais 20.000 professores no sistema de ensino nacional, conforme orientação aprovada em fevereiro, pelo Assembleia Nacional.

Tratou-se de uma das recomendações aprovadas pelo Parlamento, que fez o orçamento com a Educação em 2018 aumentar o equivalente a 46.458 milhões de kwanzas (178 milhões de euros), nomeadamente com a contratação pelo Estado de 20.000 novos professores para o ensino geral.

De acordo com a resolução sobre a proposta de OGE, aprovada no parlamento, este aumento de 9% recomendado ao Governo permitirá ao setor da Educação passar a ter um peso de 6% de todas as verbas alocadas para despesas do Estado em 2018.

Os deputados colocaram como condição a executar pelo Governo a abertura de um concurso de admissão de até 20.000 novos professores para todos os níveis de ensino, primário e secundário, a nível nacional, "por forma a reduzir a atual carência de professores", refere a resolução sobre a proposta de OGE de 2018, aprovada pelo Parlamento.

Leia mais