Dois ativistas são detidos durante visita de JLo ao Kwanza Norte | Angola | DW | 15.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Dois ativistas são detidos durante visita de JLo ao Kwanza Norte

Um dos detidos segurava um cartaz com a mensagem "JLo e Kwanza Norte são lixos" durante visita do Presidente Angolano a Ndalatando. Sociedade civil acusa João Lourenço de fazer "caça ao voto".

Protesto contra o MPLA em Ndalatando

Imagem de protesto contra o MPLA em Ndalatando, ocorrida em janeiro de 2021

O ativista Gomes Pablo permenece detido na esquadra  policial do Catome de Baixo, em Ndalatando, capital da província angolana do Kwanza Norte, desde terça-feira (14.09).

"Os policiais disseram-nos que o companheiro Pablo escreveu um cartaz que supostamente ultraja a figura do chefe de Estado angolano", afirmou à DW África Pascoal Evaristo, companheiro de causas cívicas do ativista detido. "O Comando Municipal relatou que ele escreveu um cartaz que dizia 'JLo e Kwanza Norte são lixos'", acrescentou.

Assistir ao vídeo 09:12

"Revú" por um dia em Luanda

O outro detido foi Luís Dala, secretário provincial adjunto do Movimento de Estudantes Angolanos do Kwanza Norte. O ativista social foi solto horas depois da detenção. O jovem foi obrigado a apagar as fotografias que captou durante a chegada à Ndalatando da caravana do Presidente angolano.

João Lourenço finaliza esta quarta-feira (15.09) a sua visita de dois dias à província do Kwanza Norte, onde foi receber um relatório detalhado da situação da província nos diferentes domínios e conceder audiências. A presença do chefe de Estado na província coincidiu com o regresso do ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos ao país, depois de dois anos ausente.

Sociedade civil critica visita

A sociedade civil no Kwanza Norte reagiu negativamente à visita de João Lourenço, alegando que o Presidente só visita a província em época pré-eleitoral para a caça ao voto.

Evaristo Nguala, secretário provincial do Movimento de Estudantes Angolanos, críticou as autoridades locais por terem paralisado as aulas esta terça feira para recepcionar o Presidente.

O gabinete provincial local da Educação reagiu ao descontentamento e orientou professores e alunos a afluírem às aulas, mas as escolas em Ndalatando permaneceram fechadas.

Durante a sua estada em Ndalatando, João Lourenço reuniu com o conselho provincial da comunidade local e procedeu ao lançamento da primeira pedra da futura urbanização das quintas casas de diversas tipologias na zona rural do quilômetro 11.

Orlando Ferraz, estudante universitário e ativista cívico, considera nula a visita do chefe de Estado angolano, pelo facto de ir à província apenas em época pré-eleitoral.

O secretariado provincial da União Nacional Independente Total de Angola (UNITA) também reagiu à visita de João Lourenço com fortes apelos ao governo local e ao Presidente para que não houvesse intimidações e paralisação das atividades laborais da vida sócioeconómica na capital da província.

Assistir ao vídeo 02:39

Angola: "Avalanche de pessoas" revela insatisfação crescente com MPLA

Leia mais