Dia Mundial da Paz: ONGs falam de futuro desafiante em Moçambique | Moçambique | DW | 21.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Dia Mundial da Paz: ONGs falam de futuro desafiante em Moçambique

As eleições estão quase a chegar e uma das questões mais importantes é se será possível manter a paz e a estabilidade em Moçambique. As ONGs consideram que o país atravessa um período positivo, mas há vários desafios.

Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade promove movimento 'Mulheres pela Paz'

Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade promove movimento 'Mulheres pela Paz'

O Dia Mundial da Paz celebra-se este sábado, 21 de setembro, em todo o mundo. Em Moçambique, este dia tem um peso maior, pois assinou-se um acordo de paz recentemente. A visita do Papa este mês veio reforçar esse espírito. 

Um novo ciclo político e económico aproxima-se com as eleições do próximo dia 15 de outubro. A paz e a estabilidade são necessárias para o futuro do país. Há várias organizações que estão no terreno e tentam ajudar as populações mais necessitadas, além de acompanhar de perto a realidade fora da capital. Este acompanhamento é crucial para ter noção quais as necessidades mais prementes e se a paz é algo que está em causa. 

Ouvir o áudio 03:23

Dia Mundial da Paz: ONG's falam de futuro desafiante

Dom João Carlos Nunes, presidente da Comissão de Comunicação da Conferência Episcopal, faz parte de uma entidade que sabe quais as prioridades para manter a paz, mas reconhece os desafios que isso representa.

"O momento atual de Moçambique é bastante desafiador, porque apresenta várias nuances e exige uma atenção redobrada e muito específica. Estamos a caminhar bem, mas é preciso sempre acarinhar aquilo que de bom está a acontecer, vincar esses aspetos positivos e dar propostas para superar aquilo que eventualmente possa minar o processo todo", afirmou.

A Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade (FDC) também trabalha para promover a paz e a solidariedade. Joaquim Oliveira, diretor de advocacia desta organização, considera que estão criadas as bases para uma nova fase e que as eleições são o ponto de partida.

"Eu penso que as condições estão criadas para haver mais estabilidade. Ainda há problemas de nível estrutural que têm de ser considerados, nomeadamente, o resultado, a forma como as eleições vão ser conduzidas até agora e depois divulgadas, portanto a transparência. A justeza das eleições e a sua transparência serão determinantes", comentou Oliveira.

O desafio da RENAMO

O acordo de paz assinado entre a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) e o atual Governo da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) foi um passo fundamental para garantir a paz, contudo nem tudo depende do Governo central.

Mosambik NGO Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade | Joaquim Oliveira

Joaquim Oliveira, da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade

A força da RENAMO em Moçambique ainda tem um peso determinante na estabilidade moçambicana, como afirma Joaquim Oliveira. "Os consensos dentro da RENAMO serão determinantes para uma maior estabilidade", sublinha. 
A autoproclamada "Juntar Militar" da RENAMO procura também um processo de reintegração e isso pode ser fundamental para trazer maior estabilidade, como explica Dom João Carlos Nunes.

"Os homens continuam lá e apresentaram as suas revindicações a aquilo que eles não concordam, mas ainda não apareceu uma proposta em relação a eles e como vai ser integração", disse o porta-voz da Conferência Episcopal.

Mensagem do Papa

Um dos momentos mais marcantes em Moçambique nestes últimos meses foi a visita do Papa Francisco que esteve no país nos dias 4, 5 e 6 de setembro. A mensagem de paz foi reforçada e Dom João Carlos Nunes salientou a forma positiva como o Papa falou aos moçambicanos.

Papst Franziskus in Mosambik

Papa Francisco em visita à cidade de Maputo

"Eu penso que surpreendeu pela positiva, porque o Papa veio vincar o aspecto de povo que somos, nação que se está a reconstruir, que está a buscar caminhos de paz e reconciliação", realçou Dom João Carlos Nunes.

O momento de quase pré-campanha levantou algumas dúvidas em relação ao se o momento da visita do Papa era o ideal, mas Joaquim Oliveira, da FDC, também destacou as palavras do Santo Padre.

"Foi muito benéfica. Muito mais benéfica ainda não só pela mensagem daquelas três palavras que encerram uma magia para a solução aos problemas que Moçambique tem. Paz, esperança e reconciliação: Essa é uma mensagem muito simples, mas muito significativa. E não podia chegar num momento melhor, na altura da assinatura do terceiro acordo de paz e num momento em que estamos a começar as eleições", sublinhou Joaquim Oliveira.

Todo o processo de paz é mais complexo do que muitas notícias deixam transparecer, mas Joaquim Oliveira comenta que um dos caminhos para alcançar esta estabilidade é descentralizar este processo para que a paz chegue a todos os moçambicanos.

"Eu penso que é necessário em primeiro lugar descentralizar os processos de paz e reconciliação e não centralizar. Não colocar ao nível dos dois principais contendores. Eu penso que é preciso descentralizar, é preciso criar maior apropriação com os próprios moçambicanos independentemente das suas cores políticas para abraçarem e sentirem-se donos dos processos. É preciso também alargar a base de inclusão, não se cingir apenas naquelas comissões, que são formadas essencialmente por membros que representam dois partidos políticos", sugeriu Oliveira.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados