″Diálogo com talibãs é essencial″, diz secretário-geral da ONU | NOTÍCIAS | DW | 11.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

"Diálogo com talibãs é essencial", diz secretário-geral da ONU

António Guterres defendeu ontem (10.09) que "o diálogo com os talibãs é essencial neste momento" e opinou que eventual "normalização" das relações com novo Governo do país deve depender do respeito aos direitos humanos.

NYC, UN | Vereinte Nationen | Antonio Guterres

O secretário-geral da ONU, António Guterres.

"Por agora, o importante é ter contato. Esse contato é necessário", enfatizou António Guterres em entrevista coletiva em que afirmou que a prioridade deve ser o apoio humanitário à população do Afeganistão.

O chefe da entidade pediu que, independentemente do reconhecimento do novo Governo, é preciso buscar formas de injetar dinheiro na economia afegã para evitar o seu colapso.

Guterres citou o risco de colapso da economia afegã como resultado do congelamento dos recursos internacionais por muitos países e instituições desde que os talibãs chegaram ao poder.

Afghanistan I Flughafen Kabul

Milhares de pessoas a tentar sair do país pelo aeroporto de Cabul.

"Não há interesse num colapso económico"

"Ninguém tem interesse num colapso da economia afegã", insistiu Guterres, reiterando a mensagem que a sua enviada para o Afeganistão, Deborah Lyons, transmitiu ao Conselho de Segurança na quinta-feira: "devem ser encontradas formas de manter o dinheiro fluindo para o país".

"Não se trata aqui do reconhecimento de ninguém. Trata-se de encontrar formas de ter uma injeção de dinheiro suficiente", declarou.

Como exemplo da atual complexidade da situação, o diplomata português afirmou que a ONU é atualmente incapaz de pagar os salários dos seus trabalhadores no país.

Olhando para o futuro, Guterres disse que o mais positivo seria a formação de um Governo inclusivo que respeite os compromissos internacionais do país e leve em conta as preocupações da comunidade internacional sobre o terrorismo e os direitos humanos, o que permitiria a "normalização" das relações com o Afeganistão.

Assistir ao vídeo 04:49

Afeganistão, a dor de cabeça da UE

Leia mais