Detidos na prisão de Brazzaville tratados ″pior que animais″, denuncia ONG | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 25.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Detidos na prisão de Brazzaville tratados "pior que animais", denuncia ONG

Centro de Ação para o Desenvolvimento denuncia a situação na prisão da polícia de Brazzaville, onde "as condições são comparáveis a tortura e a tratamentos cruéis, desumanos e degradantes", lê-se num relatório.

Foto simbólica

Foto simbólica

Uma organização não-governamental denunciou o tratamento desumano nos calabouços da polícia de Brazzaville, onde as pessoas "recebem pior tratamento do que os animais", apelando à melhoria das condições de detenção.

"A nossa investigação revela que nas prisões do departamento da polícia de Brazzaville as condições a que são submetidos os detidos são horríveis e ultrapassam o limite da gravidade", lamentou o Centro de Ação para o Desenvolvimento (CAD) no documento divulgado na sexta-feira (24.09).

O CAD observa que "as condições são comparáveis a tortura e a tratamentos cruéis, desumanos e degradantes", no âmbito de um  inquérito que abrangeu o período de janeiro a agosto deste ano.

Alguns dos detidos na direção do departamento da polícia de Brazzaville vêm das prisões, uma medida para aliviar a sobrelotação das prisões durante o período da luta contra a Covid-19.

Sobrelotação

"As celas estão sobrelotadas e infestadas de ratos, baratas, formigas, mosquitos e outros insetos. Há cheiros insuportáveis", disse Trésor Nzila, diretor executivo do CAD, citado pela agência de notícias AFP.

Contactadas pela AFP fontes do departamento de direitos humanos do Ministério da Justiça e Administração Prisional recusaram-se a comentar o relatório, que foi amplamente divulgado nas redes sociais.

"Tendo em conta a gravidade da situação nas celas (...) o CAD apela ao Governo para que tome medidas urgentes para aliviar o congestionamento, desinfetar e renovar as prisões", conclui o documento. 

Leia mais