Detetados casos de Covid-19 em instituto de formação em Manica | Moçambique | DW | 02.09.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Detetados casos de Covid-19 em instituto de formação em Manica

Dois casos de Covid-19 foram diagnosticados no Instituto de Formação de Professores (IFP) de Chibata, província de Manica, centro de Moçambique, e levaram à suspensão imediata das aulas. Alunos infetados foram isolados.

 Aulas no IFP estão suspensas durante 14 dias

Aulas no IFP estão suspensas durante 14 dias

Os dois formandos que testaram positivo para a Covid-19 são provenientes das províncias de Sofala e Nampula e neste momento estão a cumprir o isolamento num dos compartimentos do Instituto de Formação de Professores (IFP). Entretanto, aguardam-se os resultados de outras 49 amostras  enviadas para laboratórios de referência da região.

As aulas estão suspensas durante um período de 14 dias, numa primeira fase, enquanto decorre a monitoria de outros formandos para que não haja focos de contaminação no recinto de formação de professores.

Aquando da entrada dos estudantes na primeira fase de retoma das aulas, a 18 de agosto, os formandos foram rastreados e nas amostras enviadas para laboratório foram detetados dois casos positivos, revelou a diretora dos Serviços Provinciais dos Assuntos Sociais, Esperança Tavede.

A primeira medida foi uma reunião com o corpo diretivo do IFP. "E de seguida a equipa seguiu o protocolo em casos de se registar casos positivos, que foi o isolamento dos dois estudantes e colheita de amostras dos contactos", explica Esperança Tavede.

Segundo a responsável pelos Assuntos Sociais, com os casos positivos diagnosticados no IFP, as medidas de prevenção foram reforçadas, como por exemplo a desinfeção de todos os apartamentos, refeitórios, salas, gabinetes e recinto, para além da monitoria dos formandos internos.

Segunda fase de alívio de restrições

Moçambique entrou esta terça-feira (01.09) na segunda fase do alívio das medidas restritivas com o retorno das atividades consideradas como de médio risco de infeção e propagação da pandemia de Covid-19.

Trata-se do retorno das aulas do ensino técnico-profissional e reabertura dos cinemas, salas de teatros, casinos escolas de condução e exercício dos desportos motorizados. O estado de emergência foi decretado a 8 de agosto até às 23 horas e 59 minutos do dia 6 de setembro.

Mosambik Manica | Francisca Domingos Tomás

"Um pequeno relaxamento não significa que as populações devem andar sem máscara", alerta a governadora de Manica

"O relaxamento das medidas vai trazer um impacto muito positivo para o lado económico", considera o jurista e jornalista Nelson Benjam, entrevistado pela DW África em Manica. "Em março paralisou setor das atividades, ginásios e cinemas, e há quem dependa destas atividades para conseguir viver. A reabertura das atividades poderá melhorar a condição financeira destas pessoas", diz.

Autoridades atentas a focos de propagação

A governadora de Manica, Francisca Domingos Tomás, desafiou já o Comité Operativo de Emergência para a Saúde Publicas (COE) a continuar a monitorizar os locais com maior aglomeração populacional, para que não sejam focos de propagação de Covid-19.

"Com o reinício das atividades desportivas, cinemas, teatros, casinos e ginástica, temos de fazer face a esse reinício para não termos um maior risco, controlando principalmente o número recomendado que é de 50", alertou.

Por isso, a governadora de Manica recomenda especial atenção para os locais de aglomeração, como é o caso das igrejas e dos mercados informais. "Um pequeno relaxamento não significa que as populações devem andar sem máscara. O que estamos a notar com insatisfação é que as nossas populações não estão a obedecer às normas estabelecidas e está com um pouco de relaxamento", advertiu Francisca Domingos Tomás.

Assistir ao vídeo 02:10

Moçambique: Edil de Chimoio cria "Gabinete Sem Paredes"

Leia mais