Detenção de Alexei Navalny aumenta a tensão entre Moscovo e Ocidente | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 18.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Detenção de Alexei Navalny aumenta a tensão entre Moscovo e Ocidente

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, condenou esta segunda-feira a detenção de Alexei Navalny e exigiu a libertação imediata do líder oposicionista russo.

"Condeno a detenção de Alexei Navalny pelas autoridades aquando do seu regresso à Rússia", disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, numa declaração divulgada esta segunda-feira (18.01). A líder do Executivo comunitário apelou que "as autoridades russas devem libertá-lo imediatamente e garantir a sua segurança". 

Ursula von der Leyen informou ainda que a Comissão Europeia vai "acompanhar a situação de perto", e sublinha que "a detenção de opositores políticos é contra os compromissos internacionais da Rússia".  

"Continuamos também a esperar uma investigação exaustiva e independente sobre o ataque à vida de Alexei Navalny", adianta a responsável um dia depois de o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e de o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, também terem exigido a libertação imediata do opositor russo.

Ainda nesta segunda-feira (18), alguns governos ocidentais, com destaque para Alemanha, Reino Unido, Estados Unidos também manifestaram a sua preocupação com a detenção de Alexei Navalny e exigem uma investigação sobre as circunstâncias do seu envenenamento.

Por seu turno, apoiantes do opositor russo denunciaram hoje que as autoridades russas estão a impedir os advogados de contatar com Navalny.

"Desviar a atenção”

Entretanto, a Rússia já reagiu, considerando que a críticas do Ocidente à detenção do líder da oposição russa, Alexei Navalny, "visam desviar a atenção" dos seus próprios problemas internos e da "crise do modelo liberal". 

Os serviços prisionais russos (FSIN) detiveram neste domingo (17), o opositor russo Alexei Navalny à chegada a Moscovo, ido da Alemanha, onde esteve em tratamento, após um alegado envenenamento com um agente neurotóxico.

O FSIN acusa o dirigente da oposição russa de ter violado os termos de uma pena de prisão suspensa a que foi condenado em 2014 e assegura que, Navalny "permanecerá detido até à decisão do tribunal" sobre o seu caso, sem especificar uma data

Assistir ao vídeo 04:48

O que se sabe (e não se sabe) sobre o caso Navalny

.