Desmoronamento em mina ilegal provoca mortes em Moçambique | Moçambique | DW | 26.02.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Desmoronamento em mina ilegal provoca mortes em Moçambique

Treze pessoas ficaram soterradas e pelo menos nove morreram no desabamento de uma mina de rubis no interior da província de Cabo Delgado.

Mosambik Illegale Edelstein-Minen

Área onde ocorreu o desmoronamento pertence à mineradora Montepuez Ruby Mining

A última segunda-feira (26.02.) foi um dia sombrio em Namanhumbir, no interior da província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique. Treze pessoas ficaram soterradas numa mina ilegal de rubis. A polícia contabiliza pelo menos nove mortos. Um garimpeiro foi resgatado com vida e está a receber tratamento médico no hospital de Montepuez.

Augusto José Guta, o porta-voz do comando provincial da polícia em Cabo Delgado, conta que o garimpo é ilegal.

"Aquelas covas poderiam ter no mínimo cinco metros de profundidade e quando os garimpeiros entram nessas covas, vão criando outras fendas para além daquelas iniciais. Essas escavações, que vão sendo feitas nas laterais, não vão tendo consistência e porque estamos numa época chuvosa, a terra acabou cedendo e causou essa tragédia”, explica.

Ouvir o áudio 02:18

Desmoronamento em mina ilegal provoca mortes em Moçambique

A operação de resgate durou o dia todo e só foi interrompida à noite devido à escuridão e às condições climatéricas locais. Segundo a polícia, as buscas foram retomadas esta terça-feira (26.02.) com vista ao salvamento de possíveis vítimas.

Mineradora acusa o governo

A área onde ocorreu o incidente pertence à mineradora Montepuez Ruby Mining, do grupo Gemfields. Reagindo ao incidente, a empresa acusou o Executivo moçambicano de fazer vista grossa à onda de garimpo ilegal.

Em comunicado, a mineradora diz que os compradores ilegais têm a capacidade de entrar e sair do país, principalmente através do Aeroporto Internacional de Pemba, muitas vezes sem a documentação requerida, pagando subornos a elementos das autoridades.

Perante as acusações de inércia das autoridades face ao garimpo ilegal em Namanhumbir, o porta-voz Augusto Guta reagiu. "Redobramos os nossos esforços com vista a que essa atividade de uma forma ilegal não ocorra. O garimpo é importante, mas para que possamos fazer, é necessário que estejamos em associações. Essas associações são permitidas porque elas têm um modo de ser e estar e nesse modo, naturalmente, que essas regras de segurança vão sendo acauteladas.  

Numa entrevista concedida à televisão privada STV, o inspetor-geral do Ministério dos Recursos Minerais e Energia, Obede Matine, corroborou com a tese segundo a qual o deslizamento de terras tenha sido resultado da profundidade da mina.

Leia mais