Desmobilizados da RENAMO obtêm oficialmente suas terras na Zambézia | Moçambique | DW | 16.04.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Desmobilizados da RENAMO obtêm oficialmente suas terras na Zambézia

Vila de Mocuba, na Zambézia, é pioneira na distribuição de terreno aos ex-guerrilheiros da RENAMO em Moçambique, desmobilizados no âmbito do processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR).

Mosambik | RENAMO

Desmobilizados da RENAMO.

Ha alguns dias, circulavam rumores em Moçambique de que a convivência entre membros da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) e da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) em Mocuba, na província da Zambézia, era espetacular e exemplável para a democracia - incomparável com outros cantos do país, onde as relações entre estas duas formações políticas não são boas.

Com a garantia de terras dada pelo conselho municipal da autarquia de Mocuba aos ex-guerrilheiros da RENAMO, recentemente desarmados e desmobilizados no âmbito do processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR), os laços de amizade ficaram fortificados, apesar das ideologias políticas diferentes.

Mosambik | RENAMO | Geraldo Sotomane

O presidente do conselho autárquico de Mocuba, Geraldo Sotomane.

Área total 

Em entrevista a DW África, o presidente do conselho autárquico de Mocuba, Geraldo Sotomane, disse este sábado (16.04) que a área total de terra que a edilidade ofereceu à RENAMO corresponde a um hectare, numa área de expansão não muito distante da vila.

Os terrenos não serão exclusivamente habitados pelos ex-combatentes da RENAMO, recentemente desmobilizados, mas também pelos deslocados de Cabo Delgado.

Entretanto, ainda é preciso expandir os serviços, como fontes de água e energia no local, e este é um processo que vai durar muitos dias, devido aos problemas no fornecimento de água.

"Recebemos a solicitação da RENAMO e respondemos com maior urgência possivel. Fornecemos 16 terrenos para igual número de ex-combatentes e, neste momento, estamos a emitir títulos de uso e aproveitamento de terra; de acordo com a lista que recebemos", disse o edil de Mocuba.

Mocuba

O secretário-geral da RENAMO, André Madjibire, que este sábado visitou a cidade de Mocuba, lamentou o fato das outras estruturas governamentais moçambicanas não seguirem o mesmo exemplo do presidente da autarquia de Mocuba.

Mosambik Inhambane | DDR-Prozess

Ex-combatentes da RENAMO (foto de arquivo).

A entrega dos terrenos aos ex-guerreiros da RENAMO, em Mocuba, na Zambézia, foi requerido pela RENAMO ao Governo da província há mais de oito meses. Apenas a autarquia de Mocuba deu uma resposta satisfatória e a tempo. Outras autarquias ou distritos não responderam, argumentou a delegada da RENAMO, Elisa Cipriano.

"Há muito tempo solicitamos as atribuições de terra para os nossos guerrilheiros recentemente desarmados, mas só Mocuba respondeu à nossa solicitação pelo intermédio do executivo da província da Zambézia", disse.

Encontros

"Mantivemos encontros novamente com o governador para explicar a situação e até agora a situação se mantém [a mesma] noutros distritos da província da Zambézia, inclusive na região sul, nomeadamente Chinde, Mopeia, Luabo, Morrumbala onde também há combatentes da RENAMO", disse.

Mosambik | RENAMO | Andre Madjibire

André Madjibire, secretário-geral da RENAMO.

Os ex-guerrilheiros dizem que estão satisfeitos com a iniciativa enquadrada no processo de pacificação do país, mais que ainda não têm condições para a sua estabilização social. Denunciam falta de materiais para construir suas habitações, alimentação e subsídios mensais.

Entretanto, estas alegações foram refutadas pelo secretário-geral da RENAMO, André Madjibire. "Todos os ex-guerreiros da RENAMO já receberam quites de material de construção no ato da sua desmobilização. Não há nenhum desmobilizado que não tenha recebido material de construção", disse.

A nova vida dos deslocados de Cabo Delgado na Zambézia