Deslocados de Cabo Delgado recebem documentos de identificação | NOTÍCIAS | DW | 05.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Deslocados de Cabo Delgado recebem documentos de identificação

Governo de Moçambique atribui documentos de identificação a 180 mil deslocados de Cabo Delgado que os perderam durante a fuga ou nunca foram registados. Ministro da Defesa diz que segurança "melhora dia após dia".

Secretário de Estado António Supeia entrega documento de identificação a Domingos Domingos

Secretário de Estado António Supeia entrega documento de identificação a Domingos Domingos

Domingos Domingos é natural de Quiterajo, um posto administrativo localizado no distrito de Macomia. Atualmente, vive no centro de reassentamento de Marupa, em Chiúre, onde diz ter a circulação condicionada, devido à falta dos documentos de identificação que terá perdido quando fugia da incursão terrorista.

"Perdi a cédula no dia que entraram esses malfeitores. Corri, toda a pasta que continha minha roupa perdi. Corri para aqui [centro de reassentamento] sem documento", recorda.

Domingos diz que sofreu pressão da polícia por não portar qualquer documento de identificação: "Sem documento eu não andava. Estava muito apertado. Sempre sofria. Se eu quisesse andar, por exemplo, daqui para Chiúre ou para Pemba, aqueles polícias perguntavam-me o porquê de não possuir os documentos. Mesmo que respondesse que caíram, eles não aceitavam".

Mwene Mussa também enfrentou dificuldades devido à ausência de documentos de identificação. "Eu aqui não vivia bem sem documentos", conta. "Queria andar na minha província, mas não conseguia andar normalmente. Estava a sentir medo de circular".

Muitas vítimas do terrorismo em Cabo Delgado vivem indocumentadas devido à perda dos seus documentos durante a fuga aos ataques ou porque, de facto, nunca foram registados.

"Gozo pleno dos direitos fundamentais"

Cabo Delgado: Mulheres deslocadas vivem entre desafios e conquistas

As autoridades do setor de Registo e Notariado revelaram que as Conservatórias dos distritos afetadas pelo terrorismo tiveram os acervos documentais destruídos, o que deixou muitos residentes sem qualquer documentação.   

Para reaver os documentos, o Governo lançou esta quarta-feira (04.05) uma campanha de registo e atribuição de cédulas pessoais e bilhetes de identidade aos deslocados internos. Durante cerca de três meses de campanha, deverão ser emitidos e atribuídos cento e oitenta mil novos documentos de identificação. Um alívio para quem viu a sua movimentação limitada devido à falta de documentos.

"A iniciativa de devolver as cédulas pessoais e bilhetes de identidades permitirá o gozo pleno dos direitos fundamentais decorrentes da nacionalidade, direito de personalidade e de cidadania que assistem a todos os moçambicanos", sublinha o secretário de Estado em Cabo Delgado, António Supeia.

Nesta que é a segunda fase de documentação das vítimas do terrorismo o processo tem lugar nos distritos de Chiúre, Ancuabe e Metuge. Numa iniciativa semelhante que decorreu entre 2020 e 2021, foram emitidos e entregues às vítimas de terrorismo 102 mil documentos de identificação.

Ministro da Defesa garante que "há segurança"

Também esta quarta-feira, o ministro da Defesa Nacional de Moçambique disse que a segurança nos distritos afetados pelo terrorismo na província de Cabo Delgado continua a melhorar progressivamente, apontando o regresso de algumas comunidades como prova de estabilidade na região. "A situação mantém-se controlada" e "acreditamos que dia após dia a situação" evolui "positivamente", afirmou Cristóvão Chume.

O governante falava no final de um encontro com o vice-conselheiro nacional de segurança da Índia, Vikram Misri, que se encontra em Maputo para uma avaliação da cooperação na Defesa e Segurança e para analisar perspetivas de incremento das relações neste domínio. O ministro da Defesa moçambicano avançou que a violência protagonizada por grupos armados em Cabo Delgado foi contida como resultado da ação conjunta das forças governamentais moçambicanas, do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

"Estamos numa situação melhor do que em dias passados", enfatizou. O regresso de algumas comunidades às zonas que antes estavam nas mãos dos insurgentes demonstra a confiança das populações no restabelecimento da segurança, acrescentou. "Se estão a voltar, é porque há segurança e desde que começaram a regressar nunca tivemos episódios em que a população tenha sido retirada para zonas mais seguras. Quer dizer que a situação de segurança tem vindo a evoluir positivamente", realçou.

Leia mais