Desaparecimento de jornalista gera indignação no Uganda | NOTÍCIAS | DW | 06.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Desaparecimento de jornalista gera indignação no Uganda

Fred Lumbuye terá sido visto pela última vez quando foi detido na embaixada do Uganda, em Istambul. Jornalista é acusado de espalhar mentiras sobre regime de Yoweri Museveni. Ativistas temem julgamento injusto.

Fred Lumbuye Journalist Uganda

Fred Lumbuye é conhecido por criticar o regime ugandês

As autoridades do Uganda confirmaram a detenção na Turquia de Fred Lumbuye, um conhecido jornalista ugandês e crítico do Presidente Yoweri Museveni. Lumbuye terá sido detido na embaixada do Uganda em Istambul quando tentava renovar o seu passaporte, não sendo conhecido atualmente o seu paradeiro.

A detenção foi confirmada à DW nesta quinta-feira (05.08) pelo ministro dos Negócios Estrangeiros ugandês, Henry Okello Oryem. Ele justifica que qualquer pessoa que cometa um crime deve sofrer as consequências.

"Quem é ele para pensar que está acima da lei? Todos os ugandeses deviam estar a comemorar que esta pessoa que cometeu um crime foi presa e vai ser levada a tribunal”, declarou.

Fred Lumbuye, muito conhecido pelas transmissões diárias em direto que faz no Facebook, está a ser investigado no seu país por "incitamento à violência". As autoridades ugandesas acusam-no também de difundir mentiras sobre o regime, pelo que já haviam emitido um mandado de captura através da Interpol.

Tansania Chato 2020 | Yoweri Museveni, Präsident Uganda

Museveni é peremptoriamente criticado por Lumbuye

Fred Lumbuye, que é também jornalista, foi um dos profissionais que noticiou, recentemente, a morte do Presidente Museveni, e por isso integra a lista de pessoas que o chefe de Estado ordenou à sua segurança que prendesse.

Prisão de interesse político

No Uganda, a notícia da detenção do influenciador político foi recebida com indignação, com vários ativistas dos direitos humanos e políticos a exigirem que este não seja extraditado para o seu país de origem. Uma destas vozes é a de David Lewis Rubongoya, secretário-geral da Plataforma de Unidade Nacional (NUP, na sigla em inglês), partido do opsicionaista Bobi Wine.

"Não concordamos com tudo o que ele faz, mas sabemos que pelas críticas que tem feito ao Governo, se for entregue ao Uganda não terá um julgamento justo”, defende.

O NUP usou o Twitter para dizer que "Os governos do mundo deveriam proteger os direitos dos dissidentes e exilados políticos que procuraram refúgio nos seus países".

Também Gawaya Tegulle, advogado de direitos humanos, disse à DW que extraditar Lumbuye para o Uganda depois deste declarar que corre risco de vida no seu país é algo que viola as leis internacionais. No entanto, o ativista lembra que "a Turquia não é exatamente conhecida por ser um país que respeita os direitos humanos e o Estado de Direito”.

Ou seja, "eles farão o que as nações desonestas fazem: contornar a lei para alcançar o objetivo de satisfazer os interesses do Uganda”, afirma. Ela ainda acrescenta que o que está em jogo é o interesse político e não a lei e que, portanto, "não há limite para o que poderia acontecer.”

Nas últimas horas, vários fãs e seguidores de Fred Lumbuye têm partilhados mensagens de apoio ao ativista nas redes sociais.

Assistir ao vídeo 05:46

Apoiante da oposição no Uganda: "Fui espancado e detido"

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados