Deputados da UNITA pedem ″medidas urgentes″ contra a seca no sul de Angola | Angola | DW | 05.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Deputados da UNITA pedem "medidas urgentes" contra a seca no sul de Angola

A UNITA está preocupada com a seca no sul de Angola e, na próxima semana, vai levar as jornadas parlamentares à região para alertar "ainda mais para a necessidade de medidas urgentes".

A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) vai realizar as suas VII jornadas parlamentares nas províncias da Huíla e do Cunene para alertar para a emergência que se vive na região devido à seca.

"Estamos a ir à Huíla e ao Cunene pela especificidade que esta região está a ter, particularmente devido à gravíssima seca que atinge populações, atinge gado" e cujos impactos negativos não estão a ser minimizados, disse o presidente do grupo parlamentar da UNITA, Adalberto da Costa Júnior em entrevista à agência de notícias Lusa.

Costa Júnior salientou que o problema já atinge cinco províncias angolanas (Huíla, Cunene, Cuando Cubando, Namibe e Benguela) e que os deputados pretendem, no terreno, "debater o que se passa com a sociedade e as instituições", e identificar eventuais soluções para dar resposta "ao sofrimento extraordinário" daquelas populações.

O líder da bancada parlamentar da UNITA disse ainda que o apoio humanitário é importante, "mas não é solução". "Há uma responsabilidade extraordinária assente no poder central, assente em quem governa, em encontrar respostas imediatas e de médio e longo prazo", adiantou, salientando que o agravamento dos problemas comprova "que o Governo não está a fazer bem o seu trabalho".

Karte Angola mit den 18 Provinzen Portugiesisch

"Estado de emergência"

A deslocação para uma área de emergência servirá "para alertar ainda mais para a necessidade de medidas urgentes", vincou Adalberto da Costa Júnior, criticando o Governo central por não ter "o bom senso de declarar [o estado de emergência] perante evidências enormes [...] de populações à deriva, sujeitas a ataques dos animais" e "crianças a morrerem". E sublinhou que é notório "um descuido" ou "uma abordagem inadequada do Governo" na resposta ao problema. 

"Gasta-se tanto dinheiro mal gasto, não é a falta de dinheiro que causa a fome [...] podemos dizer que é uma incompetência, é uma irresponsabilidade, e isso não podemos aceitar", criticou.

O grupo de parlamentares, que se deslocou àquelas províncias para um trabalho preparatório das visitas, identificou várias situações graves.

Assistir ao vídeo 01:43

Cabo Verde: Seca prejudica milhares de famílias

Segundo a deputada Albertina Ngolo Felisberto, que integrou esta visita preparatória, em que foram contactados responsáveis dos governos provinciais e autoridades eclesiásticas e tradicionais, há dificuldades no acesso a água, com furos abandonado e competição entre população e gado pela água.

Além disso, das 35 mil toneladas mensais de ajuda humanitária que seriam necessárias para ajudar as populações que estão a ser vítimas  da seca e da fome, apenas mil toneladas chegaram ao Cunene, uma das províncias mais afetadas. Os produtos, contudo, eram inadequados à dieta alimentar da população local (milho, peixe seco e sal, que serve de moeda de troca). 

"Devemos encarar a situação que se vive no sul de Angola como uma calamidade natural e mobilizarmo-nos como nos mobilizámos para Moçambique", apelou a deputada, sublinhando que "a seca e a fome não se compadecem só com a ajuda humanitária, são problemas cíclicos, são problemas naturais".

Assistir ao vídeo 01:21

Mudanças climáticas afetam mais as mulheres

"Deterioração dos meios de subsistência"

Do programa das jornadas fazem parte debates sobre o poder local, experiências sobre o desenvolvimento das comunidades locais em Cabo Verde, iniciativas locais para mitigar a crise da seca e a fome, desenvolvimento económico do Sul de Angola, transparência e combate à corrupção.

Os deputados vão também visitar municípios da província da Huíla, a cidade do Lubango, a segunda do país em termos populacionais e fazer uma entrega de donativos no Cunene, com bens identificados como essenciais para a população.

O sul de Angola vive há meses uma situação de seca que afeta milhares de pessoas. Em maio, as Nações Unidas disponibilizaram a Angola 6,4 milhões de dólares (5,7 milhões de euros) para ajudar o Governo a fazer face, nos próximos seis meses, à crise de seca.  

"O severo impacto da seca no Sul tem levado à deterioração rápida dos meios de subsistência da população. Segundo dados do Governo provincial do Cunene, o número de pessoas que precisam de ajuda humanitária nessa província aumentou de cerca de 250 mil, em janeiro de 2019, para 860 mil em março deste ano, o que representa já 80% do total da população da província", realçou a ONU.

A 21 de junho, o Presidente angolano, João Lourenço, apelou, através da sua conta no Twitter, à busca contínua de apoios para os milhares de sinistrados da seca no sul do país.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados