Dívidas ocultas: Teófilo Nhangumele nega ter ″massajado″ o sistema | Moçambique | DW | 26.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Dívidas ocultas: Teófilo Nhangumele nega ter "massajado" o sistema

Considerado uma das figuras-chave no processo das dívidas ocultas, o arguido Teófilo Nhangumele admitiu hoje em tribunal que Ndambi Guebuza terá recebido 33 milhões de dólares da Privinvest e ele próprio oito milhões.

Esta quinta-feira (26.08), a audiência de Teófilo Nhangumele durou pouco mais de dez horas. Nhangumele identificou-se como intermediário no negócio entre o Governo moçambicano e a Privinvest, uma das empresas envolvidas no escândalo das dívidas ocultas.

Em tribunal, o arguido negou ter sugerido o pagamento de "luvas" para que as entidades governamentais flexibilizassem a criação de um projeto para a proteção da Zona Económica Exclusiva, de que a Privinvest e outras empresas tirariam proveito.

"Massajar o sistema" não foi uma sugestão sua, reiterou Nhangumele. O Ministério Público perguntou o que isso significa.

"É facilitar as coisas", respondeu o réu.

"Uma das maneiras de fazer com que as pessoas percebam o que nós queremos implementar é levá-las a viajar para verem as potencialidades e os equipamentos. Esse é que era o pensamento. Massajar o sistema é exatamente isso", argumentou Teófilo Nhangumele. "Por exemplo, se queremos obter uma aprovação do Governo, podemos levar membros do Governo a assistir a uma conferência internacional sobre pirataria. Então, ao processo de educar as pessoas de modo a tomar decisões informadas e lúcidas chama-se massajar o sistema", acrescentou.

Mosambik Maputo | Prozess | Teófilo Nhangumele

Julgamento das dívidas ocultas em Maputo

Pagamento de subornos

O Ministério Público entende que "massajar o sistema" foi um esquema de pagamento de subornos a entidades governamentais para que o projeto fosse aprovado.

Ana Sheila, magistrada do Ministério Público, apresentou como prova um e-mail que o réu teria trocado com o negociador da Privinvest, Jean Boustani, mas Nhangumele negou a sua autoria.

"Não, esta resposta não é minha", afirmou.

"Parece que a resposta vem do Jean [Boustani], segundo aquilo que entendi da leitura. Eu tenho e-mails. Essa resposta aqui é do Jean Boustani", insistiu o réu.

A proposta de "massajar o sistema" não terá avançado porque a Privinvest teria afirmado que todos os pagamentos seriam efetuados apenas depois da concretização do projeto.

Ndambi Guebuza

Ndambi Guebuza

Dividir 50 milhões de dólares

O Ministério Público exibiu um outro e-mail, trocado entre Boustani e Nhangumele, onde se sugeria a divisão de 50 milhões de dólares entre Nhangumele e os co-arguidos Armando Ndambi Guebuza e Bruno Langa.

Nhangumele disse em tribunal que Ndambi Guebuza, o filho mais velho do ex-Presidente Armando Guebuza, recebeu 33 milhões de dólares da Privinvest.

"Confirmo. Confirmo que escrevi isso no e-mail, sim", afirmou o réu.

O próprio Nhangumele teria recebido oito milhões de dólares. A acusação quis saber o que ele fez para receber esse dinheiro.

"Eu fiz um trabalho de facilitação. Uma das coisas que demonstra que fiz a ponte é que a Privinvest teve contactos com as autoridades governamentais – isso, doutora Sheila, pode valer quinhentos [milhões] assim como pode valer um bilião [mil milhões] de dólares. Não há nenhum preço de mercado que possa ser consultado" para se chegar ao valor do trabalho, respondeu o arguido, admitindo o recebimento do valor.

Em alguns e-mails trocados entre Boustani e Nhangumele, Ndambi Guebuza era chamado de "Cinderela", António Carlos do Rosário, ex-diretor da inteligência económica da "secreta", era chamado de "Bang", e Manuel Chang, ex-ministro das Finanças, era chamado de "Yellow Man" ou "Chopstick".

A audiência de Nhangumele começou na quarta-feira (25.08) e deverá continuar na sexta-feira. 

Leia mais