Dívidas ocultas: Réu insiste que Nyusi deve ser ouvido em tribunal | Moçambique | DW | 14.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Dívidas ocultas: Réu insiste que Nyusi deve ser ouvido em tribunal

A "peça-chave" no caso das dívidas ocultas, António Carlos do Rosário, voltou a pedir que o Presidente Filipe Nyusi seja chamado ao tribunal. O arguido diz que Nyusi sugeriu a emissão de uma garantia a favor da Ematum.

O tribunal que julga as dívidas ocultas pediu, na audição desta quinta-feira (14.10), ao réu António Carlos do Rosário para mencionar todas as pessoas que estiveram nas reuniões do comando operativo das Forças de Defesa e Segurança, que tem sido citado frequentemente no julgamento.

Terá sido o comando a aprovar o projeto de proteção da Zona Económica Exclusiva, que a acusação considera ter sido um "esquema" criminoso.

Segundo o juiz Efigénio Baptista, o arguido tem mencionado sempre os mesmos três nomes em relação às decisões para criar as três empresas do projeto: "O réu, Gregório Leão [o antigo diretor-geral da secreta] e o próprio coordenador" do comando operativo, que na altura era Filipe Nyusi, o então ministro da Defesa.

"Porque não chamar" Filipe Nyusi?

Filipe Nyusi, Präsident von Mosambik

Presidente moçambicano, Filipe Nyusi

O magistrado quis saber quem mais estava nessas reuniões, para que possa chamar essas pessoas a tribunal.

"Diga os nomes dessas pessoas! Não sei por que não diz os nomes, porque o tribunal havia de chamar para perguntar", afirmou Efigénio Baptista.

Em resposta, o ex-gestor das empresas beneficárias das dívidas ocultas, que lesaram o Estado em 2,2 mil milhões de dólares, insistiu que se chamasse a tribunal Filipe Nyusi.

"Já que a ideia é chamar as pessoas, porque não chamar o coordenador do comando operativo para nos explicar, o então ministro, como já havíamos solicitado?", questionou António Carlos do Rosário.

Nyusi terá sugerido garantia

O arguido disse que foi Nyusi quem sugeriu a emissão de uma garantia de 850 milhões de dólares a favor de uma das empresas no projeto, a Ematum. Também teria sido Filipe Nyusi a recomendar que se negociasse com o banco russo VTB Capital uma fatia do financiamento, de 350 milhões de dólares.

"O banco VTB foi-me indicado pelo coordenador do comando operativo", disse António Carlos do Rosário. "Eu estava no gabinete e, atendendo às dificuldades que estávamos a ter com a operação inicial por causa do Credit Suisse, ele sugeriu que contactássemos o banco VTB."

Ainda de acordo com o réu, foi Nyusi que criou a estrutura acionista da Ematum, na sua presença e do co-arguido, Gregório Leão.

"Não pressupunha ter estudo para indicar os acionistas. Os acionistas são indicados mediante recomendação do coordenador", referiu por fim António Carlos do Rosário, que é considerado a peça-chave no julgamento do maior escândalo de corrupção na história de Moçambique.

Assistir ao vídeo 01:34

Veja imagens da audição de Ndambi Guebuza

Leia mais