Dívidas ocultas: Mabunda diz que não prestou serviços contratados | Moçambique | DW | 13.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Dívidas ocultas: Mabunda diz que não prestou serviços contratados

O oitavo réu a ser ouvido no julgamento do processo das dívidas ocultas é acusado de participar de lavagem do dinheiro da Privinvest, no valor de cerca de 9 milhões de dólares.

Fabião Mabunda, Ângela Leão e Sidónio Sitoi são os réus que serão ouvidos esta semana no julgamento do processo das dívidas ocultas. Os arguidos são acusados de lavagem de dinheiro no valor de cerca de 9 milhões de dólares, recebidos da Privinvest. Os valores seriam destinados a Gregório Leão, antigo diretor-geral do Serviço de Informações e Segurança do Estado (SISE).

O oitavo réu a ser ouvido no julgamento é dono da empresa M. Moçambique Construções, que assinou um contrato de prestação de serviços de infraestrutura à empresa Privinvest Shipbuilding. Entretanto, o contrato nunca foi executado. Fabião Mabunda terá recebido 17,5 milhões de meticais (o equivalente a mais de 230 mil euros).

Durante seu depoimento, Fabião Mabunda disse que, apesar de ter fechado contratos de empreitada com o grupo empresarial, não chegou a prestar nenhum serviço. "Não executei o objeto dos contratos", afirmou perante o juiz esta segunda-feira (13.09). 

Outros arguidos

Assistir ao vídeo 01:34

Veja imagens da audição de Ndambi Guebuza

Ângela Leão, mulher de Gregório Leão, deve ser ouvida entre esta terça (14.09) e quinta-feira. A ré é acusada de ter gerido o dinheiro destinado pela Privinvest ao marido.

O dinheiro terá sido usado com justificativa de construção e compra de imóveis. No entanto, as compras eram simuladas e o dinheiro era devolvido.

O terceiro réu, Sidónio Sitoe, deve ser ouvido na sexta-feira (17.09). Segundo a acusação, ele era responsável por simular as compras de imóveis e, depois, devolver o dinheiro.

Privinvest no centro do escândalo

Na sexta-feira (10.09), o réu Renato Matusse admitiu, na audição do processo das dívidas ocultas, ter recebido uma oferta de 1,6 milhão dólares [mais de 1,3 milhão de euros] em bens móveis e imóveis do empresário libanês Jean Boustani – o principal negociador da empresa Privinvest. 

A Privinvest tem sido associada ao escândalo financeiro que lesou o Estado moçambicano em cerca de dois mil milhões de dólares [quase 1,7 mil milhão de euros].

Ex-conselheiro político do antigo Presidente Armando Guebuza, Matusse é acusado de associação para delinquir, peculato, branqueamento de capitais e tráfico de influências. 

Leia mais