Dívidas ocultas: Khessaujee Pulchand confirma recebimento de 170 mil euros | Moçambique | DW | 21.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Dívidas ocultas: Khessaujee Pulchand confirma recebimento de 170 mil euros

O réu disse, em tribunal, que o dinheiro era proveniente da M. Moçambique Construções, empresa que desconhece. Na época caixa da Africâmbios, disse que foi obrigado a abrir uma conta, onde recebeu elevadas quantias.

À data dos fatos, Khessaujee Polchand trabalhava como caixa na Africâmbios. O réu confirmou ter recebido na sua conta do Millennium BIM o equivalente a cerca de 170 mil euros, mas nega ter levantado todo o valor.

O dinheiro foi transferido da conta da empresa de Fabião Mabunda, também réu no caso, mas Polchand diz desconhecer a M.Moçambique Construções, empresa que terá recebido cerca de 1,5 milhões de euros de subornos da Privinvest.

O juiz do tribunal da Cidade de Maputo quis saber se o réu chegou a levantar o valor em causa, ao que Khessaujee anuiu, mas apenas o equivalente a quase 7 mil euros.

"Esta conta era movimentada pela casa de câmbios. Então, houve uma transferência para a sua conta?", questionou o juiz do caso. "Sim", confirmou o réu. "Aqui vem a M. Moçambique Construções", constatou o juiz. 

"Da empresa que disse que não conhecia?", perguntou o magistrado. "Sim", confirmou o réu.

Abertura de contas

Assistir ao vídeo 01:34

Veja imagens da audição de Ndambi Guebuza

O juiz Efigénio Baptista questionou como é possivel receber dinheiro de uma conta desconhecida, ao que o réu respondeu que todos os funcionários da Africâmbios foram obrigados aabrir contas sem saber da sua finalidade.

"Quando abri a conta, pensei que era conta-salário. Mas questionei aos meus colegas que disseram que era normal, não havia problema e outros colegas tinham contas abertas pela casa de câmbios. Todos tinham contas abertas. Todas as transações que aconteciam nesta conta não era do nosso conhecimento", justificou.

"Só nos mandavam quando era para levantar, emitir cheques, e voltava para eles. Ou seja, a caderneta de cheques ficava com a gerência", acrescentou.

Mais de 1,6 milhões de euros movimentados num mês

Os cheques emitidos por Khessaujee Polchand chegaram a totalizar 125 milhões de meticais, o equivalente a cerca de 1,6 milhões de euros, num só mês, o que levantou suspeitas ao Tribunal. "Não dava para ter noção do que estava a acontecer na sua conta?", questionou o juiz.

Khessuajee hesitou em responder e pediu que a pergunta fosse mais clara, mas voltou a responder que não tinha conhecimento do que se passava na sua conta. "O extrato eu também não sabia. Tirávamos o extrato e entregávamos à gerência", disse.

A procuradora Ana Sheila Marrengula questionou ao réu por que teria aceitado que valores avultados das operações da Africâmbios fossem transacionados na sua conta.

"Conforme disse, nós não tínhamos acesso, não sabíamos que valor era depositado, simplesmente, quando era preciso passar cheque ou qualquer outra ação que tem a ver com a conta, davam ordem e eu fazia. Era difícil saber qual era o saldo", afirmou.

O réu Khessuajee Pulchand foi o 12.º a ser ouvido pelo Tribunal em Maputo dos 19 réus no processo das dívidas ocultas.

Leia mais