Dívidas ocultas: Defesa de Ndambi Guebuza diz que há motivações políticas no processo | Moçambique | DW | 30.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Dívidas ocultas: Defesa de Ndambi Guebuza diz que há motivações políticas no processo

O advogado de Ndambi Guebuza, réu no processo das dívidas ocultas, disse hoje que a detenção do filho do antigo Presidente da República Armando Guebuza é ilegal, considerando que há motivações políticas no processo.

Mosambik | Korruptionsskandal | Ndambi Guebuza

Ndambi Guebuza, filho do ex-Presidente de Moçambique Armando Guebuza

"É [uma detenção] ilegal", disse o advogado Isálcio Mahanjane, em declarações à comunicação social, à margem do julgamento do processo das dívidas ocultas que decorre em tendas montadas no espaço da cadeia de máxima segurança em Maputo, devido à logística envolvida.  

"Arrisco-me a dizer que as motivações são políticas", frisou o advogado do filho do ex-Presidente Armando Guebuza. Mahanjane tem argumentado pela ilegalidade da detenção com base numa alegada violação de prazos de prisão preventiva.  

Ndambi Guebuza está entre os 19 arguidos que estão a ser julgados no processo das dívidas ocultas, que arrancou a 26 de agosto. 

O antigo Presidente moçambicano esteve no tribunal na sessão desta segunda-feira (30.08).

Segundo o Ministério Público, entre os diversos crimes que os arguidos terão cometido incluem-se associação para delinquir, tráfico de influência, corrupção passiva para ato ilícito, branqueamento de capitais, peculato, abuso de cargo ou função e falsificação de documentos. 

Mosambik Maputo Gerichtsverfahren wegen versteckter Schulden

Processo está a decorrer em uma tenda dentro de uma cadeia de máxima segurança

Subornado para influenciar o Chefe de Estado

No esquema, segundo a acusação, o filho de Armando Guebuza terá recebido aproximadamente 28 milhões de euros em subornos para influenciar o seu pai para a aprovação de um projeto de proteção costeira, usado como pretexto para contrair as dívidas ocultas avaliadas em cerca de dois mil milhões de euros.

Mas segundo o advogado de Ndambi Guebuza, as acusações do Ministério Público são infundadas e desprovidas de prova. 

As dívidas ocultas foram contraídas entre 2013 e 2014 junto dos bancos de investimentos Credit Suisse e VTB, banco russo, pelas empresas estatais moçambicanas Proindicus, Ematum e MAM. 

Os empréstimos foram secretamente avalizados pelo Governo da FRELIMO, liderado na altura por Armando Guebuza, sem o conhecimento do Parlamento e do Tribunal Administrativo.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados