Dívidas: Juiz acusa ex-diretor da secreta de mentir durante julgamento | Moçambique | DW | 05.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Dívidas: Juiz acusa ex-diretor da secreta de mentir durante julgamento

O juiz do processo principal das dívidas ocultas, Efigénio Baptista, acusou hoje o ex-diretor da secreta moçambicana de mentir na emissão de uma garantia a favor de uma das empresas beneficiárias dos empréstimos.

Mosambik - Efigenio Batista, Richter

Juiz Efigénio Baptista

Depois de ter dito na última sexta-feira (01.10.) que o interrogatório do antigo diretor do Serviço de Informação e Segurança do Estado (SISE), Gregório Leão, tinha terminado, o juiz Efigénio Baptista voltou esta terça-feira (05.10.) a ouvir o arguido, com o fundamento de ter dado conta da necessidade de esclarecimento de alguns aspetos constantes nos autos.

Durante o interrogatório de hoje, Baptista confrontou Leão com o facto de ter dito num ofício datado de 13 de novembro de 2014 que a empresa de proteção marítima Proindicus não tinha capacidade de pagar as prestações do empréstimo que recebeu com dinheiro das dívidas ocultas, porque ainda não tinha começado a operar, devido à ausência do contrato de concessão com o Governo.

O fundamento apresentado por Leão no referido ofício entra em contradição com a data de celebração de um contrato de concessão entre a Proindicus e o Governo, que é 17 de fevereiro de 2014, de acordo com documentos lidos hoje pelo juiz.

"É uma questão de veracidade"

Por outro lado, o Tribunal Administrativo emitiu um visto a autorizar o referido contrato de concessão a 12 de novembro de 2014, um dia antes do referido ofício.

No ofício, o antigo diretor do SISE solicita ao então ministro das Finanças Manuel Chang a emissão de uma nova garantia de cerca de 250 milhões de dólares para a cobertura de uma prestação de 90 milhões de dólares referente ao empréstimo concedido à Proindicus.

Gregório Leão José

Gregório Leão, ex-diretor da secreta moçambicana

A prestação estava em risco de vencimento, devido à incapacidade de pagamento por parte da Proindicus.

"É uma questão de ser verdade ou não ser verdade, não é uma questão de linguagem, é uma questão de veracidade", declarou Efigénio Baptista sobre as alegadas contradições de Gregório Leão.

Problemas de memória

Confrontado com as declarações do juiz, Gregório Leão escusou-se a responder, alegando que não se recordava dos factos.

"Não me recordo das datas, prefiro não responder a esta questão", declarou. Solicitado a ver os documentos constantes nos autos, Leão declinou fazê-lo.

Ainda nesta terça-feira (05.10.), o tribunal começa a ouvir o antigo presidente das três empresas estatais moçambicanas beneficiárias do dinheiro das dívidas ocultas e o arguido António Carlos do Rosário, antigo diretor da Inteligência Económica do SISE, o último dos 19 arguidos do processo principal das dívidas ocultas a ser interrogado.

O Ministério Público moçambicano acusa o antigo presidente das três empresas de ter recebido 8,9 milhões de dólares pelo seu papel no projeto de proteção da Zona Económica Exclusiva e criação das três companhias, que a justiça considera terem sido usadas como ardil para a mobilização dos empréstimos.

 António Carlos do Rosário, Geheimdienstbeamter aus Mosambik

António Carlos do Rosário, ex-alto funcionário da secreta moçambicana

António do Rosário, o próximo

António Carlos do Rosário responde por associação para delinquir, peculato (apropriação ilegal de recursos do Estado) e branqueamento de capitais.

Hoje, o juiz anunciou o adiamento da audição dos primeiros declarantes, remarcando a sua comparecência para a próxima segunda-feira.

A justiça moçambicana acusa os 19 arguidos do processo principal das dívidas ocultas de se terem associado em "quadrilha" e delapidado o Estado moçambicano em 2,7 mil milhões de dólares - valor apontado pela procuradoria e superior aos 2,2 milhões de dólares até agora conhecidos no caso - angariados junto de bancos internacionais através de garantias prestadas pelo Governo.

As dívidas ocultas foram contraídas entre 2013 e 2014 junto das filiais britânicas dos bancos de investimentos Credit Suisse e VTB pelas empresas estatais moçambicanas Proindicus, Ematum e MAM.

Os empréstimos foram secretamente avalizados pelo Governo da Frelimo, liderado pelo Presidente da República à época, Armando Guebuza, sem o conhecimento do Parlamento e do Tribunal Administrativo.

Assistir ao vídeo 01:34

Veja imagens da audição de Ndambi Guebuza

Leia mais