Dívidas diplomáticas ″desgastam″ nome de Angola na arena internacional  | Angola | DW | 01.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Dívidas diplomáticas "desgastam" nome de Angola na arena internacional 

Especialista em relações internacionais diz que quem geriu mal o dinheiro público nas missões diplomáticas deve ser responsabilizado. Mas isso não está a acontecer.

Fotografia ilustrativa

Fotografia ilustrativa

Mais uma vez, os críticos voltam a pedir uma investigação às dívidas de Angola. Agora, em particular à dívida das missões diplomáticas angolanas, quando foram já disponibilizados 48 milhões de dólares para a sua liquidação. Na segunda-feira (30.11), a secretária de Estado para o Orçamento e Investimento Público, Aia-Eza da Silva, disse ter ficado surpreendida com as altas dívidas das missões diplomáticas. A governante frisou que "muitas das missões nunca chegaram a justificar na totalidade [os pagamentos], e o dinheiro foi enviado".

O académico Osvaldo Mboco, especialista em questões internacionais, entende que se deve apurar o que aconteceu ao dinheiro o mais depressa possível.

Angola Luanda Osvaldo Mboco Universitätsprofessor

Osvaldo Mboco: "Esse tipo de atos [deve] ser combatido a todos os níveis"

"Se as missões diplomáticas receberam o dinheiro e não usaram da melhor forma possível o pagamento que o Estado fez, é um caso de investigação e de se culpabilizar quem deve ser culpabilizado."

Situações como esta "desgastam" a imagem do Estado angolano na arena internacional, acrescenta Mboco: "O país tem de entrar no normal funcionamento e esse tipo de atos [deve] ser combatido a todos os níveis."

Quem paga as dívidas são os cidadãos

Em 2018, o então ministro da Relações Exteriores, Manuel Augusto, anunciou uma reforma nas representações diplomáticas. Algumas representações foram fechadas e houve redução de pessoal.

Mas, para o académico Osvaldo Mboco, o que se poupou até agora não chega – é preciso aprofundar a reforma nas embaixadas, sobretudo tendo em conta a crise económica e financeira que o país atravessa, agravada com a pandemia da Covid-19.  

"É fundamental que se repense uma série de procedimentos que visam melhorar e desafogar aquilo que são as responsabilidades e as despesas do Estado angolano, quer ao nível internacional quer ao nível interno."

Isto porque, no final, quem paga as dívidas é sempre o cidadão angolano, lembra Cláudio Fortuna, investigador do Centro de Estudos Africanos da Universidade Católica de Angola. "Somos todos nós, é a próxima geração, a geração vindoura que vai herdar um país endividado. Ou seja, vamos ter um país condenado a ser adiado", afirma.

Há muito tempo que se pede uma investigação às dívidas angolanas. Os partidos da oposição defenderam, por exemplo, a criação de uma comissão parlamentar de inquérito para esse efeito, sem sucesso.

Em 2018, a então secretária de Estado das Finanças, Vera Daves, disse que cerca de 25% da dívida pública interna correspondia a processos fraudulentos - serviços que nunca foram prestados ao Estado. Mas, dois anos depois da denúncia, o Governo ainda não arrumou a casa e é preciso apurar e responsabilizar quem se beneficiou dessa dívida, comenta o investigador Cláudio Fortuna.

"No primeiro momento, acalentava alguma esperança. Havia uma expetativa de um amanhã diferente, mas o que é facto é que, a meio do percurso, nota-se que há falta de oxigénio para levar a bom porto este processo de responsabilização dos prevaricadores", conclui.

Assistir ao vídeo 02:44

Viver do lixo em Angola