Cyril Ramaphosa toma posse como Presidente da África do Sul | NOTÍCIAS | DW | 25.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Cyril Ramaphosa toma posse como Presidente da África do Sul

Mais de 30 mil pessoas assistiram à cerimónia de tomada de posse, em Pretória. Ramaphosa tem pela frente um mandato de cinco anos e os enormes desafios de combater a corrupção e salvar a economia.

Perante mais de 30 mil pessoas, incluindo vários líderes africanos, reunidas num estádio na capital da África do Sul, Pretória, o Presidente Cyril Ramaphosa prometeu ao país uma "nova era", este sábado (25.05) na cerimónia de tomada de posse.

"Os desafios que o nosso país enfrenta são enormes e reais. Mas não são insuperáveis. Podem ser resolvidos", disse o chefe de Estado sul-africano, lembrando que "muitos sul-africanos ainda vão para a cama com fome" e "muitos jovens não trabalham".

A África do Sul continua a ser um dos países mais desiguais do mundo, afetado pelo desemprego em massa (mais de 27%), pelas elevadas taxas de pobreza e pela corrupção desenfreada.

Na lista de tarefas neste mandato de cinco anos estão a recuperação de uma economia em crise, a criação de empregos e o combate à corrupção, bem como a restauração da reputação do partido no poder.

O Congresso Nacional Africano (ANC), venceu as eleições legislativas de 8 de maio, obtendo 230 dos 400 lugares do Parlamento, mas o resultado – 57,5% - foi o mais baixo desde a queda do apartheid, há 25 anos. Ramaphosa chegou ao poder no ano passado, após a saída de Jacob Zuma, pressionado a demitir-se na sequência de escândalos de corrupção.

Südafrika Pretoria | Amtseinführung Cyril Ramaphosa, Präsident

Mais de 30 mil pessoas assistiram à cerimónia no Estádio Loftus Versveld, em Pretória.

Promessas postas à prova

Jacob Zuma não esteve presente na cerimónia deste sábado. O antigo Presidente insiste na sua inocência e afirma que as alegações contra si têm motivações políticas. Os seus aliados no seio do ANC representam mais um desafio para Cyril Ramaphosa.

Nas vésperas das eleições, o chefe de Estado pediu desculpas aos sul-africanos pelas desavenças políticas e reforçou o seu compromisso com o combate à corrupção que continua a afetar a economia do país.

O empenho na governação "limpa" será posto à prova na nomeação do seu novo Executivo, nos próximos dias. Ramaphosa está sob pressão dos partidos da oposição e da sociedade civil para reduzir o número de ministros – atualmente há 34 – e nomear personalidades livres de escândalos.

"Vão ver mudanças", garantiu Cyril Ramaphosa esta semana.

Assistir ao vídeo 02:16

África do Sul nas urnas para eleger Parlamento

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados