Cuando Cubango: Oportunidades de negócio em tempos de pandemia | Angola | DW | 23.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Cuando Cubango: Oportunidades de negócio em tempos de pandemia

Quando a pandemia de Covid-19 chegou ao Cuando Cubango, em Angola, pequenos comerciantes tiveram de adaptar-se à nova realidade para sobreviver. Apesar da situação, surgiram novas e inesperadas oportunidades de negócio.

Jovem alfaiate do Cuando Cubango encontrou uma oportunidade de negócio com a venda de máscaras

Jovem alfaiate do Cuando Cubango encontrou uma oportunidade de negócio com a venda de máscaras

Alguns exemplos de negócios rentáveis são a produção de máscaras, a venda de álcool em gel, de termómetros e luvas que no Cuando Cubango, Angola, também foram muito utilizados para fazer enfrentar a pandemia de Covid-19. 

Luís Tomás Satchissokele, alfaiate há três anos, diz que desde o início da pandemia passou a costurar máscaras - uma oportunidade que encontrou para produzir coisas novas. "Comecei a fazer [as máscaras] no momento que se decretou estado de emergência no país", explica. "Antes das máscaras, eu já costurava calções, vestidos, saias e roupas, mas optamos por máscaras porque necessita-se nesta época de Covid-19", diz.  

O alfaiate produzia 50 máscaras diarimente e o preço mais alto era de 500 kwanzas, sendo que o trabalho terminava no mesmo dia. Agora, já não produz a mesma quantidade, pois a adesão já não é a mesma que antes. Mesmo assim, "ainda podemos produzir vinte máscaras [diariamente], para não ficarmos sem elas", diz.

Oportunidade rentável

Alberto Cassinda, de 29 anos, é vendedor ambulante há cinco anos e diz que a venda de máscaras foi uma oportunidade rentável, sobretudo, para sustentar a sua família, apesar de todos riscos que a doença representa.

Para Cassinda, a principal dificuldade no seu trabalho é mesmo lidar com os fiscais. "Quando encontram-nos aqui, parados, eles correm mesmo conosco [...]. Quando chegam, fugimos", relata, "em dezembro do ano passado levaram meu negócio para a administração e pediram-me 15 mil kwanzas. Mas, graças à Deus, falei com os mesmos, e paguei cinco mil kwanzas", conta.

Angola Covid-19

Os vendedores ambulantes são fiscalizados com frequência

Pio Mongol, diretor municipal de Menongue, menciona uma lei sobre as transgressões administrativas para explicar a atuação dos agentes da fiscalização. "Todas as cidades do país são vandalizadas pelos vendedores ambulantes por negligência e alguns deles não apresentam um documento passado pela administração para que seja considerado vendedor ambulante", explica.

Mercados do Estado

"Encontramos os mercados criados pelo Estado vazios e [os vendedores] alegam não encontrarem soluções imediatas para que os seus produtos sejam devidamente vendidos. De acordo com a lei, o Estado proíbe que as cidades sejam 'anarquizadas'. Por isso, a presença dos fiscais - para que [os vendedores ambulantes] regressarem aos mercados", acrescenta o diretor municipal.

O responsável diz que as autoridades têm sido flexíveis nas atuações e apela aos vendedores para unirem-se em associações e apresentarem à administração de Menongue propostas concretas para o seu trabalho.

"Para desencorajar [os vendedores], nós apreendemos [a mercadorira] e no dia seguinte, ou no mesmo dia, nós as devolvemos para que eles regressem aos mercados. Cobramos minimamente, de acordo com o valor que ele tiver, não entramos em detalhes em termos da própria lei", explicou Pio Mongol.

O diretor municipal disse, entretanto, ser importante que os jovens se organizem devidamente, até mesmo em organizações, para que apresentarem propostas à administração e com isso "encontrar-se uma solução", disse o responsável local. 

Assistir ao vídeo 03:39

Jovem angolano inventa robô para combater Covid-19