CPLP: Chefe da diplomacia angolana assume presidência do Conselho de Ministros | Angola | DW | 16.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

CPLP: Chefe da diplomacia angolana assume presidência do Conselho de Ministros

O chefe da diplomacia angolana, Téte António, toma hoje posse como presidente do Conselho de Ministros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e apresentará as prioridades da futura presidência angolana.

A XXVI reunião ordinária de Conselho de Ministros da CPLP decorre em Luanda, na véspera da Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da organização, em que Angola assumirá a presidência da comunidade.

Por isso, o ministro angolano das Relações Exteriores de Angola, Téte António, será eleito e tomará posse como presidente para o biénio 2021-2023, sucedendo no cargo ao chefe da diplomacia cabo-verdiana, Rui Alberto de Figueiredo Soares, de acordo com o comunicado da agenda.

Neste Conselho de Ministros, que na sessão de abertura e na de encerramento contará com a participação de representantes dos 19 observadores associados da CPLP (18 países e uma organização), serão aprovados projetos de resolução e declarações, bem como recomendações que irão à cimeira de sábado. 

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Comunidades e Integração Regional de Cabo Verde, país que, desde 2018 e até sábado, tem a presidência rotativa da CPLP fará uma intervenção neste Conselho de Ministros, assim como o seu sucessor, Téte António. 

Portugal | Teté António- Minister of Foreign Affairs of Angola

Ministro angolano Téte António (esq.)

No encontro de chefes da diplomacia da comunidade será ainda apresentado o candidato, designado por Timor-Leste, para ser o novo secretário executivo da CPLP para o biénio 2021-2023, o antigo ministro timorense Zacarias Albano da Costa, que deverá ser eleito e tomar posse durante a cimeira.

Serão apreciados o relatório do secretário executivo cessante, embaixador Francisco Ribeiro Telles, e recomendações da última reunião do CCP - Comité de Concertação Permanente, que decorreu na quinta-feira, em Luanda.

Segundo fontes diplomáticas, foi dado parecer favorável aos processos finais de candidatura a observadores associados da Índia e do G7, que deverão ser apreciadas também neste Conselho de Ministros e que irão à cimeira, e de fora ficará a já anunciada candidatura do Paraguai, cujo processo não foi concluído.

Nova aposta na ooperação económica

De acordo com as mesmas fontes, deverá ser aprovado também neste Conselho de Ministros um documento orientador sobre a cooperação económica, a nova aposta da presidência angolana da CPLP, que na quinta-feira obteve parecer favorável do CCP.  No encontro, o embaixador de Angola junto da União Africana, Francisco da Cruz, fará uma apresentação sobre a "Importância Estratégica da Bienal de Luanda".

As recomendações do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional (Cosan), entidade que tem como objetivo promover a relação entre vários setores e a participação social na coordenação de políticas, legislação e programas de ações para a segurança alimentar e nutricional, contribuindo desta forma, para materializar a prioridade, estabelecida na Estratégia para a Segurança Alimentar e Nutricional (ESAN), de combate à fome, malnutrição e pobreza na CPLP, também serão apreciadas no encontro. 

Da reunião deverá sair já a data e local da XXVII Reunião Ordinária do Conselho de Ministros. Na Cimeira de Luanda, que decorre no sábado, Angola assumirá a presidência rotativa da organização, sucedendo à presidência cabo-verdiana, com o lema "Construir e fortalecer um Futuro Comum e Sustentável".

Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste são os nove Estados-membros da CPLP, que celebra 25 anos precisamente no dia 17.

Assistir ao vídeo 07:17

Mobilidade é "crucial", defende presidente da CPLP