Covid-19: São Tomé recebe 24 mil doses de vacina na sexta-feira | São Tomé e Príncipe | DW | 03.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

São Tomé e Príncipe

Covid-19: São Tomé recebe 24 mil doses de vacina na sexta-feira

O Governo são-tomense anunciou a chegada ao país, na sexta-feira, das primeiras 24 mil doses da vacina contra a Covid-19, que começarão a ser aplicadas a partir de dia 15. O Executivo já selecionou um grupo prioritário.

O anúncio foi feito pelo porta-voz da 10.ª Reunião de Alto Nível de Seguimento da Resposta à Pandemia de Covid-19, cujos trabalhos foram presididos pelo chefe de Estado, Evaristo Carvalho, e terminaram durante a tarde no Palácio Presidencial.

"Continua-se a desenvolver trabalhos na perspetiva de o mais rapidamente possível proceder à vacinação da nossa população. Na última sexta-feira chegou ao país um lote de seringas e as primeiras 24 mil doses chegam na próxima sexta-feira, dia 5", disse Adelino Lucas.

O executivo já tem selecionado "um grupo prioritário" e, de acordo com a calendarização do Ministério da Saúde, essas 24 mil doses começarão a ser aplicadas à população a partir de dia 15 deste mês.

De acordo com o porta-voz, o país espera receber um total de 150 mil doses de vacinas que deverão chegar ao país "quer no quadro do projeto Covax, quer no quadro de parcerias bilaterais".

Mais oxigénio para os hospitais

Adelino Lucas anunciou também a chegada na quarta-feira, "ou na pior das hipóteses" na quinta-feira, de um navio do Gabão com "uma grande quantidade de oxigénio", que escasseou nos últimos dias nos hospitais do país.

São Tomé e Príncipe vai manter-se em estado de calamidade, "mas numa perspetiva mais gravosa, com acompanhamento pelas forças de segurança", referiu o porta-voz.

Assistir ao vídeo 02:45

São Tomé: Comunidades piscatórias usam máscaras contra a Covid-19

O responsável garantiu, entretanto, que o Governo "vai agir para que se respeite escrupulosamente" as três medidas sanitárias mais importantes decretadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), designadamente a higienização das mãos, distanciamento físico e uso obrigatório de máscara.

O porta-voz do encontro referiu também que ao executivo foi orientado a "melhorar todo o trabalho" de vigilância sanitária instalado no aeroporto e nos portos.

Os delegados da reunião de alto nível concluíram que os distritos onde a contaminação pelo novo coronavirus "é mais complicada" são Água Grande, onde se situa a capital, Mé Zóchi, o segundo maior do país, e Lobata e Cantagalo, respetivamente, no norte e no sul da ilha de São Tomé.

Massificação de testes

"Face à situação crescente de casos de pandemia, o Presidente da República alertou para a necessidade de massificação de testes", disse o porta-voz, sublinhando que para isso "será necessário aquisição de mais laboratórios", que a representante da OMS no encontro garantiu poderem ser financiados por doadores. 

São Tomé e Príncipe registou nas últimas 24 horas mais 12 casos positivos de covid-19, aumentando o total de pessoas com a doença confirmada para 1.840.

De acordo com o boletim mais recente (02.03), todas as contaminações ocorreram em São Tomé, onde 10 pacientes se encontram internados no hospital de campanha e 359 em isolamento domiciliar, enquanto 25 foram considerados recuperados da doença.

O total de pessoas com novo coronavírus no país é de 372, incluindo três da região autónoma do Príncipe, também em isolamento domiciliar.O número de óbitos mantém-se em 30.

Assistir ao vídeo 02:27

Covid-19: UE envia médicos e material de proteção a São Tomé e Príncipe