Covid-19: Rússia regista segunda vacina e bate recorde de novos casos | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 15.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Covid-19: Rússia regista segunda vacina e bate recorde de novos casos

A Rússia registou uma segunda vacina contra o coronavírus, etapa preliminar para a fase final de testes clínicos, anunciou o Presidente Vladimir Putin, numa altura em que o país regista um novo recorde de casos.

A vacina tem um nível de segurança "suficientemente alto", declarou na mesma cerimónia a vice-primeira-ministra da Saúde russa, Tatiana Golikova. Produzida pelo laboratório Vektor, entrará a partir de agora para a fase final dos ensaios clínicos, que implicará a utilização de 40.000 voluntários, acrescentou.

O Vektor, na região de Novossibirsk, desenvolveu uma investigação secreta sobre as armas biológicas durante o período soviético e tem armazenadas amostras de vírus que vão desde a varíola ao ébola.

A Rússia registou em agosto passado a sua primeira vacina contra o novo coronavírus, criada no centro de investigação moscovita de Gamalei, em colaboração do Ministério da Defesa russo.

Sotschi Treffen Putin und Lukaschenko

Putin espera desenvolver e distribuir a vacina no país antes do final do ano

Batizada "Sputnik V", em referência ao satélite soviético, a vacina foi recebida com ceticismo em todo o mundo, sobretudo porque não tinha desenvolvido a fase final dos ensaios na altura do anúncio pelas autoridades russas.

Uma grande parte da elite política russa, no entanto, acabou por ser vacinada, com Vladimir Putin a citar o "caso exemplar" de uma das suas filhas, a quem foi administrada uma dose. Segundo o Presidente, o Governo espera desenvolver e distribuir maciçamente a vacina no país antes do final do ano.

Novo recorde de casos

O anúncio surgiu no mesmo dia em que a Rússia, que tem conhecido uma segunda vaga do novo coronavírus no país, voltou a bater o recorde de novos casos diários de Covid-19, ao registar nas últimas 24 horas 14.231 infeções.

Na terça-feira (13.10), a Rússia registou também um recorde de óbitos em 24 horas, ao atingir 244 mortes.

As autoridades russas já assumiram que 90% das camas hospitalares reservadas para as doenças estão ocupadas, mas afirmaram controlar a situação para evitar novas medidas de contenção estrita, com efeitos devastadores para uma economia que já estava em crise antes da pandemia.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de um milhão e oitenta e sete mil mortos e mais de 38,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo o balanço mais recente.

Assistir ao vídeo 03:12

Covid-19: Vacina russa no bom caminho?

Leia mais