Covid-19: Rússia propõe a Angola construção de fábrica de vacinas | Angola | DW | 21.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Covid-19: Rússia propõe a Angola construção de fábrica de vacinas

O Governo da Rússia submeteu ao Governo angolano uma proposta para a construção de um laboratório para o fabrico de vacinas, em Luanda, anunciou o embaixador de Moscovo.

Fotografia ilustrativa de vacina russa contra Covid-19

Fotografia ilustrativa de vacina russa contra Covid-19

Vladimir Tararov falava à Televisão Pública de Angola na receção de 18,5 toneladas de produtos hospitalares, entre os quais mais de 5.000 doses de testes RT-PCR para a Covid-19, doados pela Rússia, que chegaram esta quarta-feira (21.10) ao país.

Segundo o embaixador russo, a proposta sublinha igualmente a disponibilidade para o envio de vacinas ao país, com abertura para a construção de uma fábrica para a produção de vacinas, inclusive contra a Covid-19. 

Assistir ao vídeo 01:43

Covid-19: "Africanos não são ratos de laboratório"

"Mas isso depende mesmo só do desejo e da disponibilidade, antes de tudo, do Governo de Angola", disse Vladimir Tararov, sublinhando que os produtos doados são "uma ajuda do povo russo para o povo angolano".

De acordo com o diplomata russo, este é um ato simbólico de ajuda humanitária e demonstração das ligações históricas entre os dois países, "porque os amigos não podem deixar os amigos numa situação de calamidade".

Apelo à população para respeitar as regras

Por sua vez, o secretário de Estado para a Saúde Pública de Angola, Franco Mufinda, disse que foram recebidas cerca de um 1,5 milhões de máscaras cirúrgicas e cerca de 13.000 fatos de biossegurança, viseiras e álcool para higienização dos profissionais.

Relativamente à evolução da situação epidemiológica do país, Franco Mufinda afirmou que, "se as coisas piorarem, não há outra alternativa senão fazer a revisão do processo atual", como fazem os outros países.

"Devemos apelar, uma vez mais, à nossa população a evitar esse tipo de comportamento (desrespeito das regras de prevenção e combate à Covid-19), para não levar o executivo a tomar uma medida que já tivemos aqui, que é o Estado de emergência", disse.

Angola somou nas últimas 24 horas, 8.049 casos, com 251 óbitos, 3.037 doentes recuperados e 4.761 ativos, incluindo nove em estado crítico e 19 graves.

Assistir ao vídeo 03:12

Covid-19: Vacina russa no bom caminho?

Leia mais