Covid-19: Que terapias estão a ser testadas contra o coronavírus? | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 07.04.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Covid-19: Que terapias estão a ser testadas contra o coronavírus?

Sem uma vacina, médicos e cientistas buscam alternativas para conter a letalidade do coronavírus. Medicamentos ou compostos químicos contra doenças como malária e Sida estão em fase de teste no combate à Covid-19.

Os números são exponenciais: Mais de 1,3 milhão de pessoas foram infetadas pelo novo coronavírus e mais de 75 mil morreram de Covid-19. Um terço da população vive algum tipo de isolamento – o que corresponde a quase 3 mil milhões de pessoas a viver em regime de resguardo, em casa. 

Em meio a incertezas, cientistas testam alternativas para curar ou frear o desenvolvimento da doença. Nenhum tratamento contra a Covid-19 tem comprovação científica quanto à eficácia. Por outro lado, algumas alternativas com administração estritamente técnica estão sendo essenciais para salvar vidas.

O uso da plasmoterapia no tratamento da Covid-19, por exemplo, está sendo experimentado. Trata-se da transfusão do plasma do sangue de pessoas curadas para pacientes que estão em estado grave.

As pessoas que se curaram da infeção apresentam taxa elevada de anticorpos contra o coronavírus. O processo faz com que os anticorpos do doador ajudem o organismo do receptor a combater o vírus.

As pesquisas sobre a transfusão estão em fase inicial, mas cientistas acreditam na eficácia, porque a terapia já foi utilizada com êxito em surtos anteriores - como o da SARS (doença pulmonar grave) e ébola.

Coronavirus in Mali Bamako testlabor (AFP/M. Cattani)

Laboratório de testes em Bamako

Contra piolho e ébola

Na Austrália, o medicamento Remdesivir está em fase de testes contra o coronavírus. O antiviral foi desenvolvido em 2009 para o combate ao ébola, mas não trouxe os resultados esperados.

Em fase de ensaios clínicos, a administração da droga em pacientes graves é uma das esperanças de cura para a Covid-19. A expectativa é que em seis meses os investigadores cheguem a uma conclusão sobre a eficácia do Remdesivir no combate ao coronavírus.

Outra pesquisa em estágio inicial tem o foco num remédio contra piolhos. A Ivermectina é um antiparasitário que está sendo testado em laboratório. Experimentos preliminares sugerem que a droga seja capaz de impedir que o novo coronavírus se replique no organismo humano.

Pesquisadores identificaram que - após a aplicação da droga, num período entre 24 e 48 horas - a replicação viral foi interrompida. Os testes ainda não foram realizados em pacientes e ainda não há comprovação científica do tratamento.

Outro tratamento experimental na China utiliza o antiviral kaletra - que combina os medicamentos lopinavir e ritonavir contra o VIH. Um artigo publicação do New England Journal of Medicine, no entanto, não afirma que exista benefício comprovado contra a Covid-19. Alguns pacientes com o quadro grave da doença foram submetidos ao uso do medicamento, mas não houve suficientes respostas para se tirar uma conclusão segura sobre o uso do kaletra. 

Frankreich Coronavirus Medikamente (picture-alliance/dpa/N. Creach)

Hidroxicloroquina provocou aceleração de pesquisas nos Estados Unidos

O que mais empolgou

A Hidroxicloroquina é administrado por médicos para o tratamento da malária e, aparentemente, mostra-se eficaz no tratamento da Covid-19. Em simulações in vitro, os resultados apontam para a redução da replicação viral no organismo do paciente.

Médicos, no entanto, alertam fortemente para não usar a Hidroxicloroquina sem acompanhamento técnico porque o composto pode matar os pacientes. É necessária uma combinação de terapias para que o resultado seja positivo.

Mesmo sem comprovação científica da eficácia contra a doença, alguns países estão a usar a droga nos infetados por Covid-19. Os Estados Unidos, por exemplo, criaram meios para acelerar as pesquisas e testes relacionados ao medicamento.

Em meio a tantas possibilidades experimentais de tratamento os pesquisadores e cientistas estão a avaliar os riscos e efeitos colaterais que as drogas podem produzir no organismo dos pacientes. Apontar um remédio ou a cura para a Covid-19 não é uma realidade.

Os esforços estão concentrados para desenvolver uma vacina que previna a doença e medicamentos que possam ser seguros e eficazes no combate ao vírus. Sem uma alternativa segura e cientificamente comprovada, a comunidade médica pelo mundo é quase unânime em defender o isolamento social para evitar a propagação do coronavírus.

Leia mais