Covid-19: ONU defende disponibilização da vacina para todos | África | DW | 01.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

África

Covid-19: ONU defende disponibilização da vacina para todos

Em entrevista à DW, a secretária-geral adjunta da ONU, Amina Mohammed, diz acreditar que, ainda no primeiro semestre deste ano, vários países africanos já estarão em processo de vacinação.

Secretária-Geral Adjunta da Organização das Nações Unidas, Amina Mohammed

Secretária-Geral Adjunta da Organização das Nações Unidas, Amina Mohammed

A desigualdade entre os países mais ricos e os pobres na distribuição das vacinas contra a Covid-19 tem sido tema de discussão com os países africanos na corrida para conseguir as primeiras doses para os profissionais que se encontram na linha da frente no combate à pandemia.

A secretária-geral adjunta da Organização das Nações Unidas (ONU), Amina Mohammed, defende que a "vacina tem de estar disponível para todos, em todo o lado".

A diplomata, que falava em entrevista à DW, acredita que se as vacinas não estiverem disponíveis para todos "será difícil controlar a pandemia".

"Não veremos o fim das paralisações nas nossas economias. E todos sabemos que a pandemia da Covid-19, é muito mais do que uma crise sanitária, é uma crise socioeconómica", diz.

Amina Mohammed lamenta que a iniciativa global, COVAX, não esteja a produzir resultados desejados. A Secretária-Geral Adjunta da ONU diz que é preciso que se disponibilizem recursos financeiros.

Recomenda que "os excedentes sejam imediatamente partilhados pelos trabalhadores da linha da frente em todo o mundo", em países mais vulneráveis. "A produção da vacina, não é suficiente", complementa.

Südafrika I Coronavirus I Impfung

A União Africana anunciou ter já assegurado 670 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19

Vacinas para um terço do continente

Estima-se que África precisará de 1,5 mil milhões de vacinas para imunizar 60% da população no continente.  Na última semana, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que o COVAX e a União Africana, em conjunto, só conseguirão fornecer doses para cerca de um terço do continente este ano.

A União Africana anunciou ter já assegurado 670 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 para os seus estados membros, sendo que as primeiras 50 milhões de doses chegarão ao continente entre abril e junho deste ano. 

Enquanto isso vários países africanos, por meios próprios, têm estado a encomendar vacinas para os profissionais que estão na linha da frente no combate à pandemia, com destaque para as equipas médicas.

A secretária-geral adjunta da ONU, Amina Mohammed, acredita que ainda neste primeiro semestre deste ano, vários países africanos já estarão em processo de vacinação. Neste fiM de semana, dois países africanos - Argélia e Marrocos - iniciaram com campanhas de vacinações, para os profissionais da saúde e as pessoas consideradas de risco.

Também o presidente da União Africana, o sul-africano Cyril Ramaphosa, lançou um apelo aos "mais poderosos” que libertem as vacinas que "açambarcaram".

"Libertem o excesso de vacinas que encomendaram e acumularam. Estamos profundamente preocupados com o problema do nacionalismo das vacinas. Temos de agir em conjunto no combate ao coronavírus porque ele afeta-nos a todos da mesma forma", desafiou.

Assistir ao vídeo 03:23

Quénia: Profissionais de saúde esperam e desesperam por vacina contra a Covid-19

Leia mais