Covid-19: Nyusi anuncia retoma das aulas presenciais em Moçambique | Moçambique | DW | 04.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Covid-19: Nyusi anuncia retoma das aulas presenciais em Moçambique

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciou esta noite a retoma das aulas presenciais e dos treinos no Moçambola. Outras medidas, como o recolher obrigatório em Maputo, mantêm-se. Como será com as aulas noturnas?

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciou esta noite a retoma das aulas presenciais e dos treinos no Moçambola. Outras medidas, como o recolher obrigatório em Maputo, mantêm-se. Epidemiologista está preocupado.

O Presidente da República anunciou esta quinta-feira à noite (04.03) a retoma das aulas presenciais em todos os subsistemas de ensino em Moçambique.

Filipe Nyusi justificou a medida com os baixos níveis de contaminação entre professores e alunos. De outubro de 2020 a janeiro deste ano teriam sido registados pouco mais de mil casos sem nenhum quadro clínico grave.

Hospital Central de Maputo - Zentralkrankenhaus Maputo

Pandemia tem colocado bastante pressão nos hospitais moçambicanos

"Não existindo evidências de que a aquisição destas infeções tenha ocorrido nos estabelecimentos de ensino, é autorizada a retoma das aulas presenciais nas instituições do ensino primário, secundário, técnico-profissional, formação profissional e superior em todo o território nacional", anunciou o chefe de Estado.

Os treinos de clubes que jogam no principal campeonato do país, o Moçambola, também deverão retomar.  

O Presidente Nyusi acredita que, com a implementação das medidas de prevenção que têm sido anunciadas, em pouco tempo o país poderá aliviar as restrições

"Mas esse novo passo não depende da vontade dos governantes. É necessário que nos apliquemos todos na implementação destas iniciativas", apelou.

Autoridades pedem contenção

Esta quinta-feira, o diretor do Instituto Nacional de Saúde (INS) de Moçambique, Ilesh Jani, enfatizou que esta não é a altura para relaxar as medidas de prevenção do coronavírus uma vez que o país arriscaria uma terceira onda da pandemia, ainda "mais intensa".

Assistir ao vídeo 08:31

Moçambique: Crise dos transportes em Maputo aproxima estranhos

Durante o comunicado à nação desta noite, o Presidente Filipe Nyusi também alertou que não se pode parar a prevenção, até porque as vacinas "não são um milagre".

"Subsistem níveis de transmissão e taxas que não nos podem deixar tranquilos", alertou Nyusi. "Temos que ser todos um único exército. Quanto mais nos empenharmos, mais cedo começaremos um quotidiano sem medo."

Recolher obrigatório com aulas noturnas?

O recolher obrigatório entre as 21h00 e as 04h00 horas mantém-se na região de grande Maputo, epicentro da pandemia no país, apesar das críticas de diversos setores sociais.

21h00 é a altura em que os alunos noturnos estão a terminar as aulas, mas o jurista José Caldeira acredita que o Governo implementará mecanismos para proteger alunos e professores.

"Haverá provavelmente documentos das escolas que dirão que as pessoas, estudantes e professores nas regiões abrangidas, terão uma dispensa. Não sabemos quais serão as medidas mas a verdade é que isso tem de ser compatibilizado", disse o jurista em entrevista ao canal privado STV.

O diretor nacional adjunto do Instituto Nacional de Saúde, Eduardo Samo Gudo, refere que a medida de retomar as aulas presenciais faz sentido. "Porque a interrupção das aulas por períodos prologados tem impacto no desenvolvimento psicossomático das crianças. A recuperação deste dano pode levar décadas ou nunca conseguir recuperar."

Artigo atualizado às 21:28 (CET) de 4 de março de 2021.

Data visualization COVID-19 New Cases Per Capita – 2021-03-03 – Africa - Portuguese (Africa)

Leia mais