Covid-19: Moçambique vai receber vacinas da África do Sul | Moçambique | DW | 02.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Covid-19: Moçambique vai receber vacinas da África do Sul

Moçambique vai receber nas próximas semanas vacinas contra a Covid-19 no âmbito de uma doação da operadora sul-africana MTN a países da região, anunciou o Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa.

"A MTN, que é uma das nossas empresas a operar em vários países africanos, fez uma doação de 25 milhões de dólares [20,7 milhões de euros] para adquirir sete milhões de doses da vacina contra a Covid-19 que serão disponibilizadas a vários países africanos, nas próximas semanas", disse Cyril Ramaphosa numa comunicação ao país na noite de segunda-feira (01.02).

"E será no âmbito deste donativo, que os nossos vizinhos imediatos, com quem estamos também preocupados, como o Lesoto, Essuatíni, Botsuana, Zimbabué, Moçambique e a Namíbia, que são os nossos vizinhos mais próximos e destino de viagem das nossas populações, irão também beneficiar muito em breve com esta iniciativa", declarou. 

O chefe de Estado sul-africano não especificou a quantidade de doses nem o tipo de vacina contra a covid-19 que a operadora irá doar aos países vizinhos.

"Estou satisfeito com o forte compromisso de apoiar todos os aspetos do esforço nacional de implantação de vacinas, incluindo financiamento quando necessário, logística, distribuição e administração", afirmou Ramaphosa.

Assegurar imunidade de grupo

O chefe de Estado sul-africano explicou que o objetivo do Governo "é garantir doses suficientes para atingir a imunidade de grupo, ou seja, cerca de 40 milhões de pessoas (67%) na África do Sul.

O Governo vai disponibilizar a vacina "a todos os adultos que vivem na África do Sul, independentemente da sua cidadania ou estatuto de residência".

Südafrika Präsident Ramaphosa

Cyril Ramaphosa está preocupado com países vizinhos da África do Sul

"Vamos implementar medidas para lidar com o desafio dos migrantes indocumentados para que, como todas as outras pessoas, possamos registar e rastrear adequadamente o seu histórico de vacinação", adiantou. "É do interesse de todos que o maior número possível de pessoas receba a vacina", frisou Ramaphosa.

Na sua comunicação ao país, o Presidente da República vincou que "ninguém receberá esta vacina contra a sua vontade, nem a vacina será administrada em segredo."

"Ninguém será proibido de viajar, de se matricular na escola ou de participar de qualquer atividade pública sem ter sido vacinado", salientou. "Quaisquer rumores nesse sentido são falsos e perigosos", sublinhou ainda Ramaphosa.

África do Sul é o país mais afetado no continente

A África do Sul, o país mais afetado pela pandemia no continente africano, recebeu ontem o primeiro lote de um milhão de doses de uma vacina contra a Covid-19 produzida na Índia. Um segundo lote de 500.000 doses do fármaco produzido na Índia é aguardado no próximo mês.

O chefe de Estado anunciou mais cerca de 30 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 para o segundo trimestre deste ano.

O país, que contabiliza mais de 1,4 milhões de infeções do novo coronavírus, ultrapassou também a segunda vaga de contágio, registando o número mais baixo de infeções desde dezembro (2.548 novos casos de infeção), referiu o Presidente sul-africano.

Com 8,3 milhões de testes de covid-19 realizados desde março do ano passado, a África do Sul regista 44.399 mortos por Covid-19, 1.306.022 recuperados e 105.888 casos ativos da doença pandémica, segundo as autoridades da saúde sul-africanas. 

Assistir ao vídeo 02:18

Covid-19: Regras mais apertadas nos bancos da África do Sul

Leia mais