Covid-19: Moçambicanos em risco de despejo na África do Sul | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 04.05.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Covid-19: Moçambicanos em risco de despejo na África do Sul

O Governo sul-africano proibiu os despejos durante a crise da Covid-19, mas inquilinos têm recebido cartas de aviso dos senhorios. Moçambicanos radicados na África do Sul não conseguem pagar a renda das residências.

Por causa da crise da Covid-19, cerca de 16% dos inquilinos na África do Sul não pagaram a renda referente ao mês de abril, segundo a organização não-governamental sul-africana "Rede do Perfil do Inquilino". A previsão para o mês de maio é de agravamento do número, devido ao desemprego causado pelo novo coronavírus e pelo confinamento obrigatório.

O Governo sul-africano proibiu despejos em tempo de crise, mas vários proprietários de residências já enviaram cartas de aviso aos seus inquilinos.

Joana Muthemba, uma moçambicana radicada na África do Sul, conta à DW África que não consegue pagar a renda pelo segundo mês consecutivo, e recebeu uma dessas cartas.

"Os donos da casa mandaram-me uma carta de aviso para que pague o mais urgente possível a renda e com multas. Dizem que, se eu não cumprir, irão me mandar embora da casa. Estou a pedir ajuda, porque não sei o que fazer."

Como regressar a Moçambique?

O regresso definitivo a Moçambique é uma medida cogitada pela moçambicana Amélia Matusse. Pede ao Presidente Filipe Nyusi "transporte ou alguma coisa" que ajude no regresso ao país natal.

Assistir ao vídeo 02:52

Covid-19: O desespero dos sem-abrigo na África do Sul

"O dinheiro [dívida da renda] está a acumular-se, a gente não tem dinheiro, não sabemos como é que vamos pagar. Quando isto acabar só quero ir para casa. Cansei de sofrer aqui."

Prevê-se que, por causa da crise, a taxa de desemprego na África do Sul ultrapasse os 29%, registados antes da pandemia.

O eletricista moçambicano Josefa Machaque está desesperado devido à falta de trabalho nos últimos tempos.

"Nós estamos aqui à base do trabalho, agora fechamos o trabalho e não temos nada para fazer. É só trancarmo-nos em casa e a alimentação acaba, e os donos da casa também querem o dinheiro para pagar a renda".

Minas vão reabrir

A África do Sul já registou mais de 6.700 casos de Covid-19, e 131 mortes. O país transitou a 1 de maio do nível de alerta 5 para o 4: algumas restrições foram levantadas, e a economia está a reabrir de forma faseada - é o caso de fábricas e minas, que podem voltar a funcionar com um terço dos empregados.

O Tesouro Nacional da África do Sul estima este ano uma quebra na economia na ordem dos 5,8% do Produto Interno Bruto (PIB).

O Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, anunciou entretanto um pacote de ajuda de 26 mil milhões de dólares para apoiar os trabalhadores do setor informal.

O Governo prevê também reabrir as escolas paulatinamente, a partir de 1 de junho. Mas há quem tema as consequências de um levantamento demasiado brusco das medidas de contenção contra o novo coronavírus. Uma providência cautelar movida por duas ONG é ouvida esta terça-feira (05.05) no Tribunal Superior de Polokwane, para prevenir o regresso às aulas durante o nível 4 do confinamento obrigatório.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados